terça-feira, 13 de maio de 2008

Ser Pavoniano na Igreja: Padres e Irmãos

1. Pontos de Partida a) Antes de mais nada precisamos reconhecer que na Vida Religiosa Consagrada (VRC), ser padre é uma consequência de tal escolha. Qual é o porquê disso, podemos nos perguntar. Porque um dos principais fundamentos da VRC é a convivência dos consagrados em comunidade e para nós, pavonianos, é a “vivência do Espírito de Família”. Portanto, ser padre não deve ser o fim para um religioso ou candidato à VRC, mas meio, pois antes da Ordenação vem a Consagração e com ela o compromisso fraterno, dentre outros. Ser padre, neste sentido, é assumir na sua vida uma tarefa a mais, isto é, o apostolado que o ministério implica. Então, primeiro a vocação à VRC, depois, para alguns, a vocação ao ministério ordenado. b) A decisão de ser padre ou irmão parte de uma escolha, uma resposta a um chamado (vocação) que o próprio Deus, por meio de várias situações e motivos, “chama a cada um pelo nome” e confia uma missão específica. Ser padre ou irmão deve ser uma questão de vocação, de convicção profunda, e não uma busca por status social que, como bem sabemos, diante da ótica clericalista, muitas pessoas alimentam. 2. O caráter da unidade sob dois aspectos a) Profissão Religiosa: Com ela expressamos, através dos três votos (Pobreza Castidade e Obediência), a maneira de ser discípulos missionários de Cristo neste mundo. E assim, padres e irmãos, tornam-se iguais em direitos e deveres (exceto os que são próprios da ordem sagrada) nesta Instituição religiosa, de acordo com o número 193 da Regra de Vida (RV).[1] Vida de Comunhão: O amor fraterno, a comum participação ao ideal evangélico e a graça da vocação pavoniana caracterizam e dão unidade a cada província e a toda a Congregação, mas o viver juntos e partilhar tudo com o irmão, (às vezes) só se realiza plenamente na comunidade local. Nela nos encontramos, não atraídos por afinidade natural, mas reunidos em nome de Jesus que se torna presente no meio de nós. Colocamos tudo em comum: ideal, capacidade, dons espirituais e bens materiais, em Espírito de Família, como reflexo da mútua inefável doação existente entre as pessoas divinas, que se realiza de modo exemplar na família de Nazaré. b) Missão: Assim como Jesus, todos os cristãos são chamados por Deus (alguns batizados, outros consagrados como “padres, irmãos ou irmãs” e outros ainda casados) para levarem, de acordo com a sua vocação, a Boa Nova à toda criatura até os confins do universo com palavras e obras a fim de manifestar o Reino do Pai. Ludovico Pavoni, apenas tornado sacerdote, desenvolveu primeiro, entre os filhos dos pobres a sua atividade de catequese, no sentido de uma educação cristã global; depois, vendo que muitos deles estavam praticamente encaminhados para um futuro de misérias e de marginalização, compreendeu que o Senhor o chamava para uma tarefa específica de consagrar-se à fundação de um Instituto onde pelo menos os mais abandonados e os transcurados pelos próprios pais, encontrassem acolhimento gratuito[2] e crescessem com segurança, educados também em honradas profissões (RV 181). Portanto, a missão dos Pavonianos tem por finalidade a Evangelização através dos meios atuais, favorecendo uma educação integral: cristã, profissional e cívica. 3. A Família Religiosa é composta por duas ordens A expressão ‘duas ordens de irmãos’ parece-nos corresponder à imagem da qual nos escreve São Paulo aos Romanos (12, 4-5): “Como em um só corpo temos muitos membros e estes membros não têm todos a mesma função, assim também nós ... somos um só corpo em Cristo”. Pois é em meio à diversidade que encontramos a unidade. a) O religioso Sacerdote: assegura a contribuição própria e insubstituível do seu ministério ao trabalho apostólico e à vida da comunidade (RV 195). Leva a sua sensibilidade pastoral ao tecido da vida quotidiana; com verdadeiro estilo pavoniano e com necessária competência, participa das diversas atividades da Congregação (RV 415). b) O religioso Irmão: por sua específica vocação, insere-se na missão pavoniana, vivendo a sua consagração religiosa laical (RV 196). Está diretamente inserido no campo educativo, escolar e assistencial, na formação profissional da juventude, nas atividades editoriais e nos serviços de ordem técnica e administrativa (RV 416). Portanto, ambos devem providenciar para que não faltem recursos (humanos, finaceiros, estruturais, etc...) para o êxito da missão. O que une Sacerdotes e Irmãos é a missão comum: viver por Cristo, com Cristo e em Cristo a doação da própria vida em favor das crianças, dos jovens, bem como dos surdos. Sacerdotes e Irmãos, como educadores da fé, no serviço comum da caridade, estão lado a lado e colaboram integrando a sua contribuição específica no único fim [...] se ajudam mutuamente com zelo, confiança e paciência, para viverem em paz, estreitamente unidos em um só espírito no coração de Jesus Cristo (RV 197-198). O respeito e a colaboração mútua, independentemente da escolha vocacional, devem prevalecer para que, primeiramente nós e depois os outros possam acreditar que, no amor, somos verdadeiros discípulos do Divino Mestre, Jesus Cristo. Quero, pois, terminar essa reflexão frisando a importância dessas duas figuras dentro da nossa Congregação. A abertura à vocação dos Irmãos é uma inspiração Divina inovadora dada ao nosso fundador e por isso é Dom, é graça para a Igreja. Sem uma dessas duas figuras, a Congregação perde a sua identidade e como tal deixa de existir. Portanto, não cabe aqui fazer um juízo de valor, sobretudo em nível de status social entre as duas vocações, mas sim, aceitar e valorizar a opção vocacional como chamado Divino de cada candidato que deseja ingressar neste Instituto Religioso. Que o Senhor bondoso e compassivo, pela intercessão da mãe Imaculada e do beato Pe. Fundador, nos abençoe, nos guarde e nos mostre o caminho certo a seguir. Saudações em Cristo Jesus! 


Thiago Cristino, Religioso Pavoniano da Comunidade do Centro Educacional da Audição e Linguagem Ludovico Pavoni (CEAL-LP), em Brasília. Endereço: SGAN 909 Módulo “B” (61) 3349-9944

[1] Aqui deve-se considerar que a “pertença definitiva” dá-se com a profissão solene dos conselhos evangélicos (votos perpétuos). Portanto, a igualdade entre os religiosos deveria ser mais eficaz depois desse rito, pois é a partir dele que é feita a declaração de que “tudo que é de ‘propriedade’ da Congregação é também de sua ‘propriedade’”. [2] Deve-se ter em mente que a maioria dos Institutos – senão todos – existentes na época eram ‘particulares’, no sentido de que os internos pagavam para receber as instruções oferecidas. Pe. Pavoni aceita o desafio de receber todos aqueles que não tinham condições de pagar pelos serviços recebidos.

Oração Vocacional Pavoniana

Oração Vocacional Pavoniana
Divino Mestre Jesus, ao anunciar o Reino do Pai escolheste discípulos e missionários dispostos a seguir-te em tudo; quiseste que ficassem contigo numa prolongada vivência do “espírito de família” a fim de prepará-los para serem tuas testemunhas e enviá-los a proclamar o Evangelho. Continua a falar ao coração de muitos e concede a quantos aceitaram teu chamado que, animados pelo teu Espírito, respondam com alegria e ofereçam sem reservas a própria vida em favor das crianças, dos surdos e dos jovens mais necessitados, a exemplo do beato Pe. Pavoni. Isto te pedimos confiantes pela intercessão de Maria Imaculada, Mãe e Rainha da nossa Congregação. Amém!

SERVIÇO DE ANIMAÇÃO VOCACIONAL - FMI - "Vem e Segue-Me" é Jesus que chama!

  • Aspirantado "Nossa Senhora do Bom Conselho": Rua Pe. Pavoni, 294 - Bairro Rosário . CEP 38701-002 Patos de Minas / MG . Tel.: (34) 3822.3890. Orientador dos Aspirantes – Pe. Célio Alex, FMI - Colaborador: Ir. Quelion Rosa, FMI.
  • Aspirantado "Pe. Antônio Federici": Q 21, Casas 71/73 . Setor Leste. CEP 72460-210 - Gama / DF . Telefax: (61) 3385.6786. Orientador dos Aspirantes - Ir. José Roberto, FMI.
  • Comunidade Religiosa "Nossa Senhora do Bom Conselho": SGAN Av. W5 909, Módulo "B" - Asa Norte. CEP 70790-090 - Brasília/DF. Tel.: (61) 3349.9944. Pastoral Vocacional: Ir. Thiago Cristino, FMI.
  • Comunidade Religiosa da Basílica de Santo Antônio: Av. Santo Antônio, 2.030 - Bairro Santo Antônio. CEP 29025-000 - Vitória/ES. Tel.: (27) 3223.3083 (Comunidade Religiosa Pavoniana) / (27) 3223.2160 / 3322.0703 (Basílica de Santo Antônio) . Reitor da Basílica: Pe. Roberto Camillato, FMI.
  • Comunidade Religiosa da Paróquia São Sebastião: Área Especial 02, praça 02 - Setor Leste. CEP 72460-000 - Gama/DF. Tel.: (61) 34841500 . Fax: (61) 3037.6678. Pároco: Pe. Natal Battezzi, FMI. Pastoral Vocacional: Pe. José Santos Xavier, FMI.
  • Juniorado "Ir. Miguel Pagani": Rua Dias Toledo, 99 - Bairro Vila Paris. CEP 30380-670 - Belo Horizonte / MG. Tel.: (31) 3296.2648. Orientador dos Junioristas - Pe. Claudinei Ramos Pereira, FMI. ***EPAV - Equipe Provincial de Animação Vocacional - Contatos: Ir. Antônio Carlos, Pe. Célio Alex e Pe. Claudinei Pereira, p/ e-mail: vocacional@pavonianos.org.br
  • Noviciado "Maria Imaculada": Rua Bento Gonçalves, 1375 - Bairro Centro. CEP 93001-970 - São Leopoldo / RS . Caixa Postal: 172. Tel.: (51) 3037.1087. Mestre de Noviços - Pe. Renzo Flório, FMI. Pastoral Vocacional: Ir. Johnson Farias e Ir. Bruno, FMI.
  • Seminário "Bom Pastor" (Aspirantado e Postulantado): Rua Monsenhor José Paulino, 371 - Bairro Centro. CEP 37550-000 - Pouso Alegre / MG . Caixa Postal: 217. Tel: (35) 3425.1196 . Orientador do Seminário - Ir. César Thiago do Carmo Alves, FMI.

Associação das Obras Pavonianas de Assistência: servindo as crianças, os surdos e os jovens!

  • Centro Comunitário "Ludovico Pavoni": Rua Barão de Castro Lima, 478 - Bairro: Real Parque - Morumbi. CEP 05685-040. Tel.: (11) 3758.4112 / 3758.9060.
  • Centro de Apoio e Integração dos Surdos (CAIS) - Rua Pe. Pavoni, 294 - Bairro Rosário . CEP 38701-002 Patos de Minas / MG . Tel.: (34) 3822.3890. Coordenador: Luís Vicente Caixeta
  • Centro de Formação Profissional: Av. Santo Antônio, 1746. CEP 29025-000 - Vitória/ES. Tel.: (27) 3233.9170. Telefax: (27) 3322.5174. Coordenadora: Sra. Rosilene, Leiga Associada da Família Pavoniana
  • Centro Educacional da Audição e Linguagem Ludovico Pavoni (CEAL-LP) SGAN Av. W5 909, Módulo "B" - Asa Norte. CEP 70790-090 - Brasília/DF. Tel.: (61) 3349.9944 . Diretor: Pe. José Rinaldi, FMI
  • Centro Medianeira: Rua Florêncio Câmara, 409 - Centro. CEP 93010-220 - São Leopoldo/RS. Caixa Postal: 172. Tel.: (51) 3037.2797 / 3589.6874. Diretor: Pe. Renzo Flório, FMI
  • Colégio São José: Praça Dom Otávio, 270 - Centro. CEP 37550-000 - Pouso Alegre/MG - Caixa Postal: 149. Tel.: (35) 3423.5588 / 3423.8603 / 34238562. Fax: (35) 3422.1054. Cursinho Positivo: (35) 3423. 5229. Diretor: Prof. Giovani, Leigo Associado da Família Pavoniana
  • Escola Gráfica Profissional "Delfim Moreira" Rua Monsenhor José Paulino, 371 - Bairro Centro. CEP 37550-000 - Pouso Alegre / MG . Caixa Postal: 217. Tel: (35) 3425.1196 . Diretor: Pe. Nelson Ned de Paula e Silva, FMI.
  • Obra Social "Ludovico Pavoni" - Quadra 21, Lotes 71/72 - Gama Leste/DF. CEP 72460-210. Tel.: (61) 3385.6786. Coordenador: Sra. Sueli
  • Obra Social "Ludovico Pavoni": Rua Monsenhor Umbelino, 424 - Centro. CEP 37110-000 - Elói Mendes/MG. Telefax: (35) 3264.1256 . Coordenadora: Sra. Andréia Mendes, Leiga Associada da Família Pavoniana.
  • Obra Social “Padre Agnaldo” e Pólo Educativo “Pe. Pavoni”: Rua Dias Toledo, 99 - Vila Paris. CEP 30380-670 – Belo Horizonte/MG. Tels.: (31) 3344.1800 - 3297.4962 - 0800.7270487 - Fax: (31) 3344.2373. Diretor: Pe. André Callegari, FMI.

Total de visualizações de página

Vídeos Pavonianos

Loading...

Quem sou eu?

Minha foto
Bréscia, Italy
Sou fundador da Congregação Religiosa dos Filhos de Maria Imaculada, conhecida popularmente como RELIGIOSOS PAVONIANOS. Nasci na Itália no dia 11 de setembro de 1784 numa cidade chamada Bréscia. Senti o chamado de Deus para ir ao encontro das crianças e jovens que, por ocasião da guerra, ficaram órfãos, espalhados pelas ruas com fome, frio e sem ter o que fazer... e o pior, sem nenhuma perspectiva de futuro. Então decidi ajudá-los. Chamei-os para o meu Oratório (um lugar onde nos reuníamos para rezar e brincar) e depois ensinei-os a arte da marcenaria, serralheria, tipografia (fabricar livros), escultura, pintura... e muitas outras coisas. Graças a Deus tudo se encaminhou bem, pois Ele caminhava comigo, conforme prometera. Depois chamei colaboradores para dar continuidade àquilo que havia iniciado. Bem, como você pode perceber a minha história é bem longa... Se você também quer me ajudar entre em contato. Os meus amigos PAVONIANOS estarão de portas abertas para recebê-lo em nossa FAMÍLIA.