terça-feira, 14 de abril de 2009

Escravos de nós mesmos

Os Estados gregos eram formados por uma cidade e pelas terras ao seu redor, sendo conhecidas como Polis (Cidades-Estado), onde todos que eram considerados cidadãos tinham poder de decisão pela força da palavra argumentativa. As decisões eram discutidas na Ágora, na qual as opiniões tinham o mesmo valor, pois eram todos iguais. Ao contrário de hoje, nem todos eram considerados cidadãos, estavam excluídos dessa categoria as crianças, os escravos, os estrangeiros e as mulheres.
Hoje depara-se com uma crise na vivência de nossa democracia, reflexo de uma política mal construída historicamente em que poucos sempre tiveram o poder de decisão sobre o futuro comprometedor da nação. A percepção que temos é que não podemos continuar indiferentes à vida política que clama por socorro e participação efetiva. O grande filósofo Aristóteles dizia que “o homem é naturalmente feito para a sociedade política”. Portanto podemos afirmar que o homem é essencialmente político e deveria usar essa arte para buscar o bem comum numa relação de respeito para com o outro, lembrando das palavras do filósofo sobre esse precioso ato: “Quem quer que seja que não tenha necessidade dos outros homens ou que não seja capaz de viver em comunidade com eles ou é um deus ou um animal” (Aristóteles). Um dos caminhos para a transformação se dá através da política participativa.
Delegamos a alguns representantes o poder de argumentar por nós, bem como de decidir os caminhos para melhorar o país, mas a transformação que almejamos quase nunca ocorre, já os interesses individuais e partidários, sim, e bem na frente de nossos olhos. O que fazer diante disso? Não posso negar que há uma certa política do bem comum, que por sua vez está sempre na cauda dos interesses da classe burguesa. Hoje somos todos considerados cidadãos com direitos iguais perante a lei. Infelizmente alguns são mais iguais do que outros. Temos as constituições da constituição, ou seja, existe uma lei disfarçada e severa para o negro, o indígena, o pobre. Nem é preciso dizer que a melhor das constituições é a dos ricos. Os gregos antigos ficariam horrorizados com esses fatos, pois se todos são cidadãos, logo todos são iguais, tendo os mesmos direitos. Para cobrar e garantir direitos iguais é preciso estar informado a fim de exercer a cidadania, além de buscar um novo sonho democrático para o futuro de uma sociedade justa e mais fraterna. Devemos fortalecer o compromisso cooperativo que gera a comunidade e a participação de todos em tudo o que é benevolente para a sociedade. Isso não deve ser confundido com pobres medidas assistencialistas, é ir além, favorecendo direitos e dignidade autônoma aos cidadãos. Nesse sentido a educação bem estruturada é peça fundamental; através dela as pessoas poderão ser sujeitos da história da nação brasileira, além de se afastar da exclusão intelectual que é a pior de todas. Para uma boa educação, não bastam conteúdos, além disso é necessário desenvolver a capacidade de pensar, algo distante de nossa realidade escolar. Passamos em média doze anos na escola para enfrentar algumas horas de um vestibular excludente. Ou pensamos ou seremos escravos à moda grega.
Mais uma vez quero destacar algumas palavras do pensador Aristóteles, que em seu contexto sócio-político-cultural afirmou: “Partindo dos nossos princípios, tais indivíduos são destinados, por natureza, à escravidão; porque para eles nada é mais fácil que obedecer, (...) não possui a plenitude da razão...”. Convém salientar que, ao contrário de Aristóteles, a ciência contemporânea já provou que todos são iguais em potência e essência humana. Dessa forma todos têm capacidade de raciocinar e pensar potencialmente. A virtude aristotélica nos ensina que é preciso praticar constantemente as coisas boas. Pensar também é um exercício constante, que por sua vez deve levar à prática e ao exercício da cidadania, caso contrário entregaremos nossa liberdade a outros colaborando com nossa própria escravidão.
Oziel da Rocha é religioso pavoniano e estudande de Filosofia do V período - ISTA - Belo Horizonte - MG.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Oração Vocacional Pavoniana

Oração Vocacional Pavoniana
Divino Mestre Jesus, ao anunciar o Reino do Pai escolheste discípulos e missionários dispostos a seguir-te em tudo; quiseste que ficassem contigo numa prolongada vivência do “espírito de família” a fim de prepará-los para serem tuas testemunhas e enviá-los a proclamar o Evangelho. Continua a falar ao coração de muitos e concede a quantos aceitaram teu chamado que, animados pelo teu Espírito, respondam com alegria e ofereçam sem reservas a própria vida em favor das crianças, dos surdos e dos jovens mais necessitados, a exemplo do beato Pe. Pavoni. Isto te pedimos confiantes pela intercessão de Maria Imaculada, Mãe e Rainha da nossa Congregação. Amém!

SERVIÇO DE ANIMAÇÃO VOCACIONAL - FMI - "Vem e Segue-Me" é Jesus que chama!

  • Aspirantado "Nossa Senhora do Bom Conselho": Rua Pe. Pavoni, 294 - Bairro Rosário . CEP 38701-002 Patos de Minas / MG . Tel.: (34) 3822.3890. Orientador dos Aspirantes – Pe. Célio Alex, FMI - Colaborador: Ir. Quelion Rosa, FMI.
  • Aspirantado "Pe. Antônio Federici": Q 21, Casas 71/73 . Setor Leste. CEP 72460-210 - Gama / DF . Telefax: (61) 3385.6786. Orientador dos Aspirantes - Ir. José Roberto, FMI.
  • Comunidade Religiosa "Nossa Senhora do Bom Conselho": SGAN Av. W5 909, Módulo "B" - Asa Norte. CEP 70790-090 - Brasília/DF. Tel.: (61) 3349.9944. Pastoral Vocacional: Ir. Thiago Cristino, FMI.
  • Comunidade Religiosa da Basílica de Santo Antônio: Av. Santo Antônio, 2.030 - Bairro Santo Antônio. CEP 29025-000 - Vitória/ES. Tel.: (27) 3223.3083 (Comunidade Religiosa Pavoniana) / (27) 3223.2160 / 3322.0703 (Basílica de Santo Antônio) . Reitor da Basílica: Pe. Roberto Camillato, FMI.
  • Comunidade Religiosa da Paróquia São Sebastião: Área Especial 02, praça 02 - Setor Leste. CEP 72460-000 - Gama/DF. Tel.: (61) 34841500 . Fax: (61) 3037.6678. Pároco: Pe. Natal Battezzi, FMI. Pastoral Vocacional: Pe. José Santos Xavier, FMI.
  • Juniorado "Ir. Miguel Pagani": Rua Dias Toledo, 99 - Bairro Vila Paris. CEP 30380-670 - Belo Horizonte / MG. Tel.: (31) 3296.2648. Orientador dos Junioristas - Pe. Claudinei Ramos Pereira, FMI. ***EPAV - Equipe Provincial de Animação Vocacional - Contatos: Ir. Antônio Carlos, Pe. Célio Alex e Pe. Claudinei Pereira, p/ e-mail: vocacional@pavonianos.org.br
  • Noviciado "Maria Imaculada": Rua Bento Gonçalves, 1375 - Bairro Centro. CEP 93001-970 - São Leopoldo / RS . Caixa Postal: 172. Tel.: (51) 3037.1087. Mestre de Noviços - Pe. Renzo Flório, FMI. Pastoral Vocacional: Ir. Johnson Farias e Ir. Bruno, FMI.
  • Seminário "Bom Pastor" (Aspirantado e Postulantado): Rua Monsenhor José Paulino, 371 - Bairro Centro. CEP 37550-000 - Pouso Alegre / MG . Caixa Postal: 217. Tel: (35) 3425.1196 . Orientador do Seminário - Ir. César Thiago do Carmo Alves, FMI.

Associação das Obras Pavonianas de Assistência: servindo as crianças, os surdos e os jovens!

  • Centro Comunitário "Ludovico Pavoni": Rua Barão de Castro Lima, 478 - Bairro: Real Parque - Morumbi. CEP 05685-040. Tel.: (11) 3758.4112 / 3758.9060.
  • Centro de Apoio e Integração dos Surdos (CAIS) - Rua Pe. Pavoni, 294 - Bairro Rosário . CEP 38701-002 Patos de Minas / MG . Tel.: (34) 3822.3890. Coordenador: Luís Vicente Caixeta
  • Centro de Formação Profissional: Av. Santo Antônio, 1746. CEP 29025-000 - Vitória/ES. Tel.: (27) 3233.9170. Telefax: (27) 3322.5174. Coordenadora: Sra. Rosilene, Leiga Associada da Família Pavoniana
  • Centro Educacional da Audição e Linguagem Ludovico Pavoni (CEAL-LP) SGAN Av. W5 909, Módulo "B" - Asa Norte. CEP 70790-090 - Brasília/DF. Tel.: (61) 3349.9944 . Diretor: Pe. José Rinaldi, FMI
  • Centro Medianeira: Rua Florêncio Câmara, 409 - Centro. CEP 93010-220 - São Leopoldo/RS. Caixa Postal: 172. Tel.: (51) 3037.2797 / 3589.6874. Diretor: Pe. Renzo Flório, FMI
  • Colégio São José: Praça Dom Otávio, 270 - Centro. CEP 37550-000 - Pouso Alegre/MG - Caixa Postal: 149. Tel.: (35) 3423.5588 / 3423.8603 / 34238562. Fax: (35) 3422.1054. Cursinho Positivo: (35) 3423. 5229. Diretor: Prof. Giovani, Leigo Associado da Família Pavoniana
  • Escola Gráfica Profissional "Delfim Moreira" Rua Monsenhor José Paulino, 371 - Bairro Centro. CEP 37550-000 - Pouso Alegre / MG . Caixa Postal: 217. Tel: (35) 3425.1196 . Diretor: Pe. Nelson Ned de Paula e Silva, FMI.
  • Obra Social "Ludovico Pavoni" - Quadra 21, Lotes 71/72 - Gama Leste/DF. CEP 72460-210. Tel.: (61) 3385.6786. Coordenador: Sra. Sueli
  • Obra Social "Ludovico Pavoni": Rua Monsenhor Umbelino, 424 - Centro. CEP 37110-000 - Elói Mendes/MG. Telefax: (35) 3264.1256 . Coordenadora: Sra. Andréia Mendes, Leiga Associada da Família Pavoniana.
  • Obra Social “Padre Agnaldo” e Pólo Educativo “Pe. Pavoni”: Rua Dias Toledo, 99 - Vila Paris. CEP 30380-670 – Belo Horizonte/MG. Tels.: (31) 3344.1800 - 3297.4962 - 0800.7270487 - Fax: (31) 3344.2373. Diretor: Pe. André Callegari, FMI.

Total de visualizações de página

Vídeos Pavonianos

Loading...

Quem sou eu?

Minha foto
Bréscia, Italy
Sou fundador da Congregação Religiosa dos Filhos de Maria Imaculada, conhecida popularmente como RELIGIOSOS PAVONIANOS. Nasci na Itália no dia 11 de setembro de 1784 numa cidade chamada Bréscia. Senti o chamado de Deus para ir ao encontro das crianças e jovens que, por ocasião da guerra, ficaram órfãos, espalhados pelas ruas com fome, frio e sem ter o que fazer... e o pior, sem nenhuma perspectiva de futuro. Então decidi ajudá-los. Chamei-os para o meu Oratório (um lugar onde nos reuníamos para rezar e brincar) e depois ensinei-os a arte da marcenaria, serralheria, tipografia (fabricar livros), escultura, pintura... e muitas outras coisas. Graças a Deus tudo se encaminhou bem, pois Ele caminhava comigo, conforme prometera. Depois chamei colaboradores para dar continuidade àquilo que havia iniciado. Bem, como você pode perceber a minha história é bem longa... Se você também quer me ajudar entre em contato. Os meus amigos PAVONIANOS estarão de portas abertas para recebê-lo em nossa FAMÍLIA.