terça-feira, 6 de abril de 2010

O Superior geral


Caríssimos irmãos e leigos da Família pavoniana,
            Hoje é Domingo de Ramos e estamos nos aproximando do dia 1° de abril, aniversário da santa morte do nosso beato Padre Fundador. Em 1849, o dia 1° de abril foi Domingo de Ramos.
Portanto, queremos vivenciar estes dias da Semana Santa com uma referência central ao mistério pascal do Senhor, mas também com a recordação viva do momento culminante do dom da vida que padre Pavoni fez ao Senhor e aos jovens a ele confiados.

O exemplo do Padre Fundador…

Estava se desenrolando o drama das “X Jornadas” de Bréscia[1]. A escolha do Padre Fundador em acompanhar a Saiano os seus jovens não foi uma fuga das violências da cidade, mas foi assumir a responsabilidade do destino deles e partilhar os perigos que os ameaçava.
Pode-se dizer que toda a sua vida, imbuída por uma profunda fé, foi caracterizada pela partilha do destino do seu povo. A consequência das guerras ligadas às vicissitudes de Napoleão tinha deixado uma sequela pesada de órfãos e de empobrecimento dos recursos naturais, culminada na tremenda carestia de 1816/1817. Padre Pavoni não ficou indiferente, mas no que lhe tocava,  assumiu a responsabilidade de dividir o quanto possuía com os mais pobres e socorrer os jovens que se encontrtavam em maior necessidade. Esta escolha o levou a encaminhar iniciativas de cunho social, em nível educativo e profissional, que marcarão o desenvolvimento do mundo do trabalho na idade contemporânea. E quando, em 1836, o cólera estorou em Bréscia, ele abriu as portas do seu Instituto a quantos ficaram sem apoio familiar, duplicando o número de jovens internos.

… para os nossos dias

A sensibilidade do Padre Fundador e o seu envolvimento nos dramas do tempo, guiado por  motivos de fé e de autêntica “compaixão” para com os mais sofredores e infelizes, são uma herança  significativa para a Congregação também nos nossos dias.
A seu exemplo, como Família pavoniana somos interpelados pelas circunstâncias nas quais nos encontramos, caracterizadas por uma crise econômica e financeira em nível mundial, que agravou ainda mais as condições de vida dos povos e dos núcleos familiares mais pobres, com o aumento do desemprego, que torna mais duro o presente e mais incerto o futuro. Diante de uma situação de tantos sofrimento não podemos ficar indiferentes; pelo contrário, somos estimulados a assumir um estilo de vida mais sóbrio e a detectar possíveis iniciativas de solidariedade, afins com o nosso carisma.

Religiosos e leigos: partilhar para realizar os sinais de caridade e de esperança

Nesta perspectiva o tema do ano, comunidade unida com os leigos, pede-nos que não fiquemos hesitantes, e sim intensifiquemos o caminho de construção da Família pavoniana, inclusive para responder às urgências do tempo presente. O crescer como religiosos e leigos unidos na realidade da Família pavoniana não é tanto uma experiência que se reduz a melhores relações recíprocas, quanto um reforçar da nossa missão, à luz do carisma pavoniano. Diante de um mundo cheio de contradições que pede justiça e salvação, envolvidos no projeto de Cristo e no mistério do seu reino e participantes da missão da Igreja, religiosos e leigos, como herdeiros do carisma de padre Pavoni, somos chamados a fazer a nossa parte, conforme o momento presente nos pede.
O Documento capitular nos convida a redescobrir, junto com a Igreja do terceiro milênio, o modo “novo” de seguir Jesus “em uma lógica de comunhão, que valoriza a diversidade e a complementaridade dos carismas e promove o despertar das energias latentes no laicato e na própria vida religiosa … A consciência da nossa vocação específica e a acolhida plena da vocação dos leigos contribuem para uma verdadeira e significativa conversão das nossas comunidades locais e dão impulso ao sentido profético da missão pavoniana” (2.1.a). Tomamos consciência de que todos devemos dar passos para nos abrir a esta perspectiva: nós religiosos em ser mais unidos e criativos e em acolher de boa vontade a inserção e a contribuição dos leigos; vocês leigos, em perceber a presença de vocês como participação no espírito e no carisma pavoniano e em colaborar com o esforço de consolidar e de dar asas à missão do Fundador. Espírito de fé, caridade, respeito recíproco, humildade, partiha, corresponsabilidade: são algumas das características exigidas para construir a Família pavoniana sobre um fundamento sólido.

Passos concretos para o crescimento da Família pavoniana

A realidade da Família pavoniana cresceu e está se desenvolvendo positivamente, embora não do mesmo modo nas diversas comunidades da Congregação. Lembro os passos que considero oportunos de serem dados para dar vida e ânimo à Família pavoniana, sobretudo, para quem está ainda na busca de como caminhar eficazmente nesta direção.
O primeiro passo consiste em um maior conhecimento recíproco entre religiosos e todos os leigos que colaboram com a missão da comunidade ou que de qualquer modo estão próximos dela.  Junto às circunstâncias já bem consolidadas de encontro (Imaculada, 24 horas de adoração, 28 de maio, etc.), pode ser útil organizar outros dois/três momentos durante o ano, nos quais oferecer ocasião aos religiosos e aos leigos para se conhecerem, trocarem experiências, proporem sugestões para um caminho de maior comunhão e colaboração em vista da missão comum.
Um segundo passo leva a quanto já foi sugerido pelo Documento base: realizar como comunidade, para os leigos que desejem, um encontro pelo menos mensal, para aprofundar o caminho de conhecimento, de formação, de envolvimento na missão realizada pela casa.
Daqui, pode-se chegar a um terceiro passo, que vai em uma dupla direção: a intensificação, por uma parte, da participação na vida da comunidade (oração, momentos de encontro, de comunhão e de serviço, etc.) e, por outra, a identificação de iniciativas para consolidar as atividades já desenvolvidas pela comunidade ou para encaminhar novas, dando vida a sinais de caridade e de esperança para quem está necessitado, como encarnação no hoje do carisma pavoniano. O nosso Fundador sustente a todos nós na coragem de nos abrir a estes novos horizontes, tornando-nos conscientes e disponíveis diante das necessidades dos tempos e confiantes na ação da Providência de Deus.

Abril e maio: dois meses “pavonianos”

Estão diante de nós os meses de abril e de maio, que podemos considerar, de bom direito,  particularmente “pavonianos”. Inicia-se com o dia 1° de abril, com a recordação da morte de padre Pavoni, em Saiano, para chegar ao dia 14 de abril, aniversário da sua beatificação, em  2002, indo até o dia 28 de maio, festa litúrgica do Fundador, precedida pelas 24 horas de adoração, este ano no dia  22 de maio.
Neste mês de abril, outras circunstâncias interessam a nossa agenda.
A Páscoa jovem, de 1° a 4, em Maggio para a Itália, em Valladolid para a Espanha. A reunião do Conselho geral (8-10). A 11° Caminhada Pavoniana de Bréscia a Saiano, sábado, dia 17. No mesmo dia, a XVIII Assembleia da Família pavoniana da Espanha, em S. Sebastián, no 25° ano da atividade educativa nesta cidade. A peregrinação a Ars, organizada pela Província italiana (20-22). De 23 a 30, estarei  em visita às comunidades de Asmara, na Eritrea.
Lembro ainda e peço calorosamente que participem das Jornadas de sensibilização vocacional, previstas para para as regiões da Itália e Espanha, em Lonigo, de 7 a 9 de maio. Preparemo-nos para elas também com a celebração do Dia Mundial de Oração pelas Vocações, no IV domingo de Páscoa, no dia 25 de abril. Confiemos, de modo especial, esta intenção a Maria, que festejaremos com o título de Mãe do Bom Conselho, no dia 26 (27 na Espanha).
Que a Páscoa do Senhor seja sinal eficaz do amor misericordioso de Deus para nós todos e para toda a humanidade. Chegue a cada um os meus votos no Senhor morto e ressuscitado, nossa salvação e esperança.
                                                        pe. Lorenzo Agosti

 Tradate, 28 de março de 2010, Domingo de Ramos.



[1] Episódio da luta de libertação das cidades italianas do domínio do Império Austro-húngaro.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Oração Vocacional Pavoniana

Oração Vocacional Pavoniana
Divino Mestre Jesus, ao anunciar o Reino do Pai escolheste discípulos e missionários dispostos a seguir-te em tudo; quiseste que ficassem contigo numa prolongada vivência do “espírito de família” a fim de prepará-los para serem tuas testemunhas e enviá-los a proclamar o Evangelho. Continua a falar ao coração de muitos e concede a quantos aceitaram teu chamado que, animados pelo teu Espírito, respondam com alegria e ofereçam sem reservas a própria vida em favor das crianças, dos surdos e dos jovens mais necessitados, a exemplo do beato Pe. Pavoni. Isto te pedimos confiantes pela intercessão de Maria Imaculada, Mãe e Rainha da nossa Congregação. Amém!

SERVIÇO DE ANIMAÇÃO VOCACIONAL - FMI - "Vem e Segue-Me" é Jesus que chama!

  • Aspirantado "Nossa Senhora do Bom Conselho": Rua Pe. Pavoni, 294 - Bairro Rosário . CEP 38701-002 Patos de Minas / MG . Tel.: (34) 3822.3890. Orientador dos Aspirantes – Pe. Célio Alex, FMI - Colaborador: Ir. Quelion Rosa, FMI.
  • Aspirantado "Pe. Antônio Federici": Q 21, Casas 71/73 . Setor Leste. CEP 72460-210 - Gama / DF . Telefax: (61) 3385.6786. Orientador dos Aspirantes - Ir. José Roberto, FMI.
  • Comunidade Religiosa "Nossa Senhora do Bom Conselho": SGAN Av. W5 909, Módulo "B" - Asa Norte. CEP 70790-090 - Brasília/DF. Tel.: (61) 3349.9944. Pastoral Vocacional: Ir. Thiago Cristino, FMI.
  • Comunidade Religiosa da Basílica de Santo Antônio: Av. Santo Antônio, 2.030 - Bairro Santo Antônio. CEP 29025-000 - Vitória/ES. Tel.: (27) 3223.3083 (Comunidade Religiosa Pavoniana) / (27) 3223.2160 / 3322.0703 (Basílica de Santo Antônio) . Reitor da Basílica: Pe. Roberto Camillato, FMI.
  • Comunidade Religiosa da Paróquia São Sebastião: Área Especial 02, praça 02 - Setor Leste. CEP 72460-000 - Gama/DF. Tel.: (61) 34841500 . Fax: (61) 3037.6678. Pároco: Pe. Natal Battezzi, FMI. Pastoral Vocacional: Pe. José Santos Xavier, FMI.
  • Juniorado "Ir. Miguel Pagani": Rua Dias Toledo, 99 - Bairro Vila Paris. CEP 30380-670 - Belo Horizonte / MG. Tel.: (31) 3296.2648. Orientador dos Junioristas - Pe. Claudinei Ramos Pereira, FMI. ***EPAV - Equipe Provincial de Animação Vocacional - Contatos: Ir. Antônio Carlos, Pe. Célio Alex e Pe. Claudinei Pereira, p/ e-mail: vocacional@pavonianos.org.br
  • Noviciado "Maria Imaculada": Rua Bento Gonçalves, 1375 - Bairro Centro. CEP 93001-970 - São Leopoldo / RS . Caixa Postal: 172. Tel.: (51) 3037.1087. Mestre de Noviços - Pe. Renzo Flório, FMI. Pastoral Vocacional: Ir. Johnson Farias e Ir. Bruno, FMI.
  • Seminário "Bom Pastor" (Aspirantado e Postulantado): Rua Monsenhor José Paulino, 371 - Bairro Centro. CEP 37550-000 - Pouso Alegre / MG . Caixa Postal: 217. Tel: (35) 3425.1196 . Orientador do Seminário - Ir. César Thiago do Carmo Alves, FMI.

Associação das Obras Pavonianas de Assistência: servindo as crianças, os surdos e os jovens!

  • Centro Comunitário "Ludovico Pavoni": Rua Barão de Castro Lima, 478 - Bairro: Real Parque - Morumbi. CEP 05685-040. Tel.: (11) 3758.4112 / 3758.9060.
  • Centro de Apoio e Integração dos Surdos (CAIS) - Rua Pe. Pavoni, 294 - Bairro Rosário . CEP 38701-002 Patos de Minas / MG . Tel.: (34) 3822.3890. Coordenador: Luís Vicente Caixeta
  • Centro de Formação Profissional: Av. Santo Antônio, 1746. CEP 29025-000 - Vitória/ES. Tel.: (27) 3233.9170. Telefax: (27) 3322.5174. Coordenadora: Sra. Rosilene, Leiga Associada da Família Pavoniana
  • Centro Educacional da Audição e Linguagem Ludovico Pavoni (CEAL-LP) SGAN Av. W5 909, Módulo "B" - Asa Norte. CEP 70790-090 - Brasília/DF. Tel.: (61) 3349.9944 . Diretor: Pe. José Rinaldi, FMI
  • Centro Medianeira: Rua Florêncio Câmara, 409 - Centro. CEP 93010-220 - São Leopoldo/RS. Caixa Postal: 172. Tel.: (51) 3037.2797 / 3589.6874. Diretor: Pe. Renzo Flório, FMI
  • Colégio São José: Praça Dom Otávio, 270 - Centro. CEP 37550-000 - Pouso Alegre/MG - Caixa Postal: 149. Tel.: (35) 3423.5588 / 3423.8603 / 34238562. Fax: (35) 3422.1054. Cursinho Positivo: (35) 3423. 5229. Diretor: Prof. Giovani, Leigo Associado da Família Pavoniana
  • Escola Gráfica Profissional "Delfim Moreira" Rua Monsenhor José Paulino, 371 - Bairro Centro. CEP 37550-000 - Pouso Alegre / MG . Caixa Postal: 217. Tel: (35) 3425.1196 . Diretor: Pe. Nelson Ned de Paula e Silva, FMI.
  • Obra Social "Ludovico Pavoni" - Quadra 21, Lotes 71/72 - Gama Leste/DF. CEP 72460-210. Tel.: (61) 3385.6786. Coordenador: Sra. Sueli
  • Obra Social "Ludovico Pavoni": Rua Monsenhor Umbelino, 424 - Centro. CEP 37110-000 - Elói Mendes/MG. Telefax: (35) 3264.1256 . Coordenadora: Sra. Andréia Mendes, Leiga Associada da Família Pavoniana.
  • Obra Social “Padre Agnaldo” e Pólo Educativo “Pe. Pavoni”: Rua Dias Toledo, 99 - Vila Paris. CEP 30380-670 – Belo Horizonte/MG. Tels.: (31) 3344.1800 - 3297.4962 - 0800.7270487 - Fax: (31) 3344.2373. Diretor: Pe. André Callegari, FMI.

Total de visualizações de página

Vídeos Pavonianos

Loading...

Quem sou eu?

Minha foto
Bréscia, Italy
Sou fundador da Congregação Religiosa dos Filhos de Maria Imaculada, conhecida popularmente como RELIGIOSOS PAVONIANOS. Nasci na Itália no dia 11 de setembro de 1784 numa cidade chamada Bréscia. Senti o chamado de Deus para ir ao encontro das crianças e jovens que, por ocasião da guerra, ficaram órfãos, espalhados pelas ruas com fome, frio e sem ter o que fazer... e o pior, sem nenhuma perspectiva de futuro. Então decidi ajudá-los. Chamei-os para o meu Oratório (um lugar onde nos reuníamos para rezar e brincar) e depois ensinei-os a arte da marcenaria, serralheria, tipografia (fabricar livros), escultura, pintura... e muitas outras coisas. Graças a Deus tudo se encaminhou bem, pois Ele caminhava comigo, conforme prometera. Depois chamei colaboradores para dar continuidade àquilo que havia iniciado. Bem, como você pode perceber a minha história é bem longa... Se você também quer me ajudar entre em contato. Os meus amigos PAVONIANOS estarão de portas abertas para recebê-lo em nossa FAMÍLIA.