segunda-feira, 31 de outubro de 2011

O Superior geral


Caríssimos irmãos e leigos da Família pavoniana,
os dons e o chamado de Deus são irrevogáveis” (Rom 11, 29) nos assegura o apóstolo Paulo na primeira leitura da liturgia de hoje. Esta certeza acompanha o nosso caminho de fé e a nossa resposta cotidiana ao seu chamado e à sua vontade.  
Existe um projeto de amor de Deus sobre cada um de nós, sobre nossas comunidades e sobre toda a Congregação, nascida por inspiração divina no coração do nosso Padre Fundador.
Em padre Pavoni nós descobrimos uma estreita relação entre uma profunda fé na escuta de Deus e uma sensibilidade e uma capacidade de leitura da realidade, na qual se envolve com toda dedicação. Fé sólida em Deus e dedicação apaixonada aos jovens caracterizaram a sua experiência. Podemos perceber nele o quanto são Paulo manifestava ao discípulo Timóteo: “Pois se nós trabalhamos e lutamos, é porque depositamos a nossa esperança no Deus vivo” (1 Tm 4, 10). 
Isto vale também para nós. Justamente porque colocamos nossa esperança em Deus, nós acolhemos a vocação à Família pavoniana e nos esforçamos com todas as nossas forças para viver seu carisma.
Com o projeto pessoal de vida e com o projeto comunitário procuramos corresponder aos dons de Deus, colocando-nos à disposição dos irmãos, nos trabalhos que nos são confiados.

Certificação de qualidade: em relação à vida fraterna.

À luz da palavra de Deus e da nossa Regra de Vida, além de outros documentos que nascem delas, nós mesmos devemos estar aptos, sem delegar a tarefa a sujeitos externos, de formular uma certificação de qualidade da vida e dos serviços realizados pela nossa comunidade. Isto é, devemos estar aptos para avaliar como estamos encarnando, concretamente, o nosso carisma, em relação aos diversos aspectos da sua identidade e em relação à realidade na qual estamos inseridos.
Este processo não é fim em si mesmo, mas se torna muito útil para perceber as luzes e as sombras que caracterizam a nossa vida, para melhorar a realização do quanto nos é pedido em força do projeto que nos une e ao qual livre e responsavelmente aderimos.
Para esta certificação da nossa vida fraterna, podem ser pontos de referência os seguintes:
1 – A consciência da nossa identidade como comunidade religiosa e como núcleo de Família pavoniana. Quem somos? Que imagem apresentamos do nosso “grupo”?
2 – O lugar que Deus ocupa no nosso dia. Damos a Deus o tempo que a Regra de Vida pede à comunidade, como centro e fundamento da nossa vocação e missão?
3 – A qualidade da nossa oração comunitária. Como cuidamos e animamos os nossos encontros de oração? Como participamos deles? Como os articulamos no arco da semana, do mês, do ano e em relação aos tempos litúrgicos?
4 – A fidelidade a nossa vida consagrada. Como se manifesta no nosso modo de viver os votos religiosos de castidade, pobreza e obediência?
5 – A consistência da vida fraterna. Quais momentos significativos de vida comum caracterizam o nosso dia e a nossa semana, bem como os meses e o ano? Manifestamos uma realidade de comunhão de vida?
6 – A visibilidade da comunidade. Como fazemos para tornar visível e reconhecível a comunidade religiosa enquanto tal aos olhos dos leigos colaboradores, dos adolescentes e dos jovens das nossas estruturas educativas e de todos que se aproximam de nós? Como somos conhecidos e como participamos no âmbito da Igreja local e do lugar onde nos encontramos?
7 – A abertura da comunidade. Que estratégias usamos para favorecer a participação dos leigos (jovens e adultos) na nossa vida de oração, nos momentos de vida fraterna e na colaboração na missão?
8 – A Família pavoniana. A que ponto está a experiência da partilha do nosso carisma entre religiosos e leigos? Quais passos demos? Como está se caracterizando esta experiência?
9 – A pavonianidade. Como se manifesta a nossa identidade de comunidade pavoniana? Quais sinais nos fazem reconhecer como religiosos e como leigos pavonianos?
10 – O cuidado da casa. Sabemos conjugar espírito de pobreza e válida manutenção e boa ordem dos ambientes em que vivemos? Estamos todos disponíveis em prover às necessidades da casa e à realização dos serviços que a comunidade exige?

Certificação de qualidade: em relação à missão.

Em referência à missão, podemos ter como referência estes critérios:
1 – Os âmbitos da nossa missão. Quais são, com precisão, os aspectos da missão pavoniana presentes na nossa comunidade? São expressões de toda a comunidade ou somente de alguns irmãos?
2 – O projeto de atividades. Elaboramos e mantemos atualizado um projeto específico das atividades (educativas, culturais, profissionais, assistenciais, pastorais, etc.) presentes na nossa comunidade?
3 – Os agentes. Como foram escolhidos os atuais agentes (educadores, funcionários, voluntários)? Qual formação garantimos para eles? Como são organizadas e como se apresentam as relações entre os agentes religiosos e leigos?
4 – A incidência educativa. Qual clima educativo se respira no nosso ambiente? Como avaliamos os resultados do trabalho educativo sobre os destinatários da nossa missão? Em nível humano, em nível cultural/profissional, em nível cristão?
5 – O cuidado da orientação vocacional. Estamos cientes de que o vértice da obra educativa é ajudar cada jovem a realizar na própria vida a vocação à qual Deus o chamou? Entre adolescentes e jovens (alunos e ex-alunos) em contato conosco há, sem dúvida, algum que potencialmente tem uma vocação consagrada, inclusive pavoniana. O que fazemos para que esta vocação possa ser descoberta, cultivada e levada à realização?
6 – A avaliação. Em que prazos e com quais critérios de referência sabemos examinar o encaminhamento das atividades, sua validade e sustentabilidade no tempo, as eventuais carências a sanar?
7 – Os voluntários. Em nossas atividades, sabemos catalisar voluntários, que tragam sua contribuição para a integração dos agentes fixos? Como nos interessamos pela formação deles, de modo que, com os outros agentes leigos, partilhem o nosso carisma, na lógica da Família pavoniana?
8 – O questionário para os usuários. Com que frequência apresentamos formulários de avaliação aos jovens e suas famílias, para testarmos se nossos serviços são bem aceitos?
9 – A análise e a reprojetação. Algumas vezes, religiosos e leigos nos encontramos para analisar a situação do mundo juvenil do lugar em que atuamos? Esta análise nos levou a assumir novas iniciativas, em relação ao nosso carisma e segundo as nossas possibilidades? Percebemos que se trata de um processo que não podemos omitir?
10 – A inserção na realidade local e a ligação com a Província. Como se realiza a nossa inserção na realidade local? Sabemos agir em rede? Como cuidamos da relação com as outras atividades da Congregação?

Novembro, mês da esperança cristã

Se nós trabalhamos e lutamos, é porque colocamos a nossa esperança no Deus vivo”. Ter esperança em Deus não se torna motivo de passividade, mas estímulo para nos fazer “tudo para todos”, como nos pede o Padre Fundador, retomando a expressão de são Paulo (1 Cor 9, 22).
Um particular apelo à esperança nos vem da liturgia do mês de novembro: da solenidade de Todos os Santos e da comemoração de todos os Fiéis Defuntos à solenidade de Cristo Rei, com a conclusão do ano litúrgico e início do Advento. São ocasiões para reavivar, junto com a virtude da esperança, o empenho e a alegria de servir a Deus com todo o coração e de nos dedicarmos sem reservas aos irmãos.
A agenda do mês prevê em particular as assembleias provinciais para a revisão e aprovação da Programação trienal: em Belo Horizonte, de 11 a 13, com uma continuação, nos dias 14 e 15, para o encontro da Família pavoniana. Em Lonigo, sábado, dia 12. Em Valladolid, de 25 a 27, juntamente com as “Jornadas de Outono” da Família pavoniana e após a convivência de todos os “Grupos Saiano”, de 4 a 6.
No dia 29, daremos início à novena em preparação à solenidade da Imaculada. Maria, que sábado, dia 19, honraremos como “Mãe da Divina Providência”, nos ajude a viver este “Ano da missão educativa pavoniana” com o coração do padre Pavoni.
Saúdo a todos em nome do Senhor.
pe. Lorenzo Agosti
Belo Horizonte, 31 de outubro de 2011.                  

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Oração Vocacional Pavoniana

Oração Vocacional Pavoniana
Divino Mestre Jesus, ao anunciar o Reino do Pai escolheste discípulos e missionários dispostos a seguir-te em tudo; quiseste que ficassem contigo numa prolongada vivência do “espírito de família” a fim de prepará-los para serem tuas testemunhas e enviá-los a proclamar o Evangelho. Continua a falar ao coração de muitos e concede a quantos aceitaram teu chamado que, animados pelo teu Espírito, respondam com alegria e ofereçam sem reservas a própria vida em favor das crianças, dos surdos e dos jovens mais necessitados, a exemplo do beato Pe. Pavoni. Isto te pedimos confiantes pela intercessão de Maria Imaculada, Mãe e Rainha da nossa Congregação. Amém!

SERVIÇO DE ANIMAÇÃO VOCACIONAL - FMI - "Vem e Segue-Me" é Jesus que chama!

  • Aspirantado "Nossa Senhora do Bom Conselho": Rua Pe. Pavoni, 294 - Bairro Rosário . CEP 38701-002 Patos de Minas / MG . Tel.: (34) 3822.3890. Orientador dos Aspirantes – Pe. Célio Alex, FMI - Colaborador: Ir. Quelion Rosa, FMI.
  • Aspirantado "Pe. Antônio Federici": Q 21, Casas 71/73 . Setor Leste. CEP 72460-210 - Gama / DF . Telefax: (61) 3385.6786. Orientador dos Aspirantes - Ir. José Roberto, FMI.
  • Comunidade Religiosa "Nossa Senhora do Bom Conselho": SGAN Av. W5 909, Módulo "B" - Asa Norte. CEP 70790-090 - Brasília/DF. Tel.: (61) 3349.9944. Pastoral Vocacional: Ir. Thiago Cristino, FMI.
  • Comunidade Religiosa da Basílica de Santo Antônio: Av. Santo Antônio, 2.030 - Bairro Santo Antônio. CEP 29025-000 - Vitória/ES. Tel.: (27) 3223.3083 (Comunidade Religiosa Pavoniana) / (27) 3223.2160 / 3322.0703 (Basílica de Santo Antônio) . Reitor da Basílica: Pe. Roberto Camillato, FMI.
  • Comunidade Religiosa da Paróquia São Sebastião: Área Especial 02, praça 02 - Setor Leste. CEP 72460-000 - Gama/DF. Tel.: (61) 34841500 . Fax: (61) 3037.6678. Pároco: Pe. Natal Battezzi, FMI. Pastoral Vocacional: Pe. José Santos Xavier, FMI.
  • Juniorado "Ir. Miguel Pagani": Rua Dias Toledo, 99 - Bairro Vila Paris. CEP 30380-670 - Belo Horizonte / MG. Tel.: (31) 3296.2648. Orientador dos Junioristas - Pe. Claudinei Ramos Pereira, FMI. ***EPAV - Equipe Provincial de Animação Vocacional - Contatos: Ir. Antônio Carlos, Pe. Célio Alex e Pe. Claudinei Pereira, p/ e-mail: vocacional@pavonianos.org.br
  • Noviciado "Maria Imaculada": Rua Bento Gonçalves, 1375 - Bairro Centro. CEP 93001-970 - São Leopoldo / RS . Caixa Postal: 172. Tel.: (51) 3037.1087. Mestre de Noviços - Pe. Renzo Flório, FMI. Pastoral Vocacional: Ir. Johnson Farias e Ir. Bruno, FMI.
  • Seminário "Bom Pastor" (Aspirantado e Postulantado): Rua Monsenhor José Paulino, 371 - Bairro Centro. CEP 37550-000 - Pouso Alegre / MG . Caixa Postal: 217. Tel: (35) 3425.1196 . Orientador do Seminário - Ir. César Thiago do Carmo Alves, FMI.

Associação das Obras Pavonianas de Assistência: servindo as crianças, os surdos e os jovens!

  • Centro Comunitário "Ludovico Pavoni": Rua Barão de Castro Lima, 478 - Bairro: Real Parque - Morumbi. CEP 05685-040. Tel.: (11) 3758.4112 / 3758.9060.
  • Centro de Apoio e Integração dos Surdos (CAIS) - Rua Pe. Pavoni, 294 - Bairro Rosário . CEP 38701-002 Patos de Minas / MG . Tel.: (34) 3822.3890. Coordenador: Luís Vicente Caixeta
  • Centro de Formação Profissional: Av. Santo Antônio, 1746. CEP 29025-000 - Vitória/ES. Tel.: (27) 3233.9170. Telefax: (27) 3322.5174. Coordenadora: Sra. Rosilene, Leiga Associada da Família Pavoniana
  • Centro Educacional da Audição e Linguagem Ludovico Pavoni (CEAL-LP) SGAN Av. W5 909, Módulo "B" - Asa Norte. CEP 70790-090 - Brasília/DF. Tel.: (61) 3349.9944 . Diretor: Pe. José Rinaldi, FMI
  • Centro Medianeira: Rua Florêncio Câmara, 409 - Centro. CEP 93010-220 - São Leopoldo/RS. Caixa Postal: 172. Tel.: (51) 3037.2797 / 3589.6874. Diretor: Pe. Renzo Flório, FMI
  • Colégio São José: Praça Dom Otávio, 270 - Centro. CEP 37550-000 - Pouso Alegre/MG - Caixa Postal: 149. Tel.: (35) 3423.5588 / 3423.8603 / 34238562. Fax: (35) 3422.1054. Cursinho Positivo: (35) 3423. 5229. Diretor: Prof. Giovani, Leigo Associado da Família Pavoniana
  • Escola Gráfica Profissional "Delfim Moreira" Rua Monsenhor José Paulino, 371 - Bairro Centro. CEP 37550-000 - Pouso Alegre / MG . Caixa Postal: 217. Tel: (35) 3425.1196 . Diretor: Pe. Nelson Ned de Paula e Silva, FMI.
  • Obra Social "Ludovico Pavoni" - Quadra 21, Lotes 71/72 - Gama Leste/DF. CEP 72460-210. Tel.: (61) 3385.6786. Coordenador: Sra. Sueli
  • Obra Social "Ludovico Pavoni": Rua Monsenhor Umbelino, 424 - Centro. CEP 37110-000 - Elói Mendes/MG. Telefax: (35) 3264.1256 . Coordenadora: Sra. Andréia Mendes, Leiga Associada da Família Pavoniana.
  • Obra Social “Padre Agnaldo” e Pólo Educativo “Pe. Pavoni”: Rua Dias Toledo, 99 - Vila Paris. CEP 30380-670 – Belo Horizonte/MG. Tels.: (31) 3344.1800 - 3297.4962 - 0800.7270487 - Fax: (31) 3344.2373. Diretor: Pe. André Callegari, FMI.

Total de visualizações de página

Vídeos Pavonianos

Loading...

Quem sou eu?

Minha foto
Bréscia, Italy
Sou fundador da Congregação Religiosa dos Filhos de Maria Imaculada, conhecida popularmente como RELIGIOSOS PAVONIANOS. Nasci na Itália no dia 11 de setembro de 1784 numa cidade chamada Bréscia. Senti o chamado de Deus para ir ao encontro das crianças e jovens que, por ocasião da guerra, ficaram órfãos, espalhados pelas ruas com fome, frio e sem ter o que fazer... e o pior, sem nenhuma perspectiva de futuro. Então decidi ajudá-los. Chamei-os para o meu Oratório (um lugar onde nos reuníamos para rezar e brincar) e depois ensinei-os a arte da marcenaria, serralheria, tipografia (fabricar livros), escultura, pintura... e muitas outras coisas. Graças a Deus tudo se encaminhou bem, pois Ele caminhava comigo, conforme prometera. Depois chamei colaboradores para dar continuidade àquilo que havia iniciado. Bem, como você pode perceber a minha história é bem longa... Se você também quer me ajudar entre em contato. Os meus amigos PAVONIANOS estarão de portas abertas para recebê-lo em nossa FAMÍLIA.