sexta-feira, 10 de fevereiro de 2012

Solidariedade e fraternidade


Pe. Sidbe Semporé, OP
Trechos escolhidos da Omnis Terra n.162 /2011

1. Vida Consagrada pacto de Aliança com Deus

A Vita Consecrata que atualmente constitui o documento oficial de referência para a reflexão sobre a Vida Consagrada (VC), utiliza abundantemente a terminologia e as imagens bíblicas para fundamentar e explicar esta particular vocação cristã no seio da Igreja. No entanto, curiosamente, a simbologia da Aliança, tão rica e eloquente na movimentada história das relações de Deus com o seu Povo e com a humanidade em geral, não é objeto de uma abordagem específica na consideração que o Documento faz a respeito do significado do compromisso religioso.
1.1 De uma Aliança para a outra
E no entanto, a Aliança encontra-se no âmago não apenas da lei de Moises, mas também da missão dos profetas e da piedade dos Salmistas. A Nova Aliança (Jr 31,31-33) que Deus estabelece com cada membro do Povo, figura da nova e eterna Aliança selada em Jesus Cristo para a salvação da multidão, inspira e dinamiza o caminho daqueles e daquelas que, através da graça do batismo, sentem o chamamento a descobrir em si mesmos/as a iniciativa de Amor d’Aquele que interpela: Vem, e segue-me! A união da alma com Deus e a entrega do consagrado ao Senhor constituem um sinal de fidelidade à Aliança encetada pelo próprio Deus. No percurso religioso, a Aliança é estabelecida e selada com Deus, não com um instituto. É ela que dá sentido pleno ao compromisso pessoal do consagrado.
1.2 Companheiros para a vida inteira
A VC é um convite a descobrir no fundo do coração o valor do Amor d’Aquele que estabelece uma Aliança para a vida inteira, e que assumiu a nossa pobre existência humana para lhe conferir uma renovada dimensão, uma nova orientação. Incutir-lhe-ei a minha lei; gravá-la-ei no seu coração (Jr 31,33). Ao chamamento de Deus fiel da Aliança, o consagrado responde com o dom sem reservas da sua própria pessoa, do seu coração e da sua vida, mediante um compromisso, um juramento, uma promessa de fidelidade. A terminologia da consagração que nós utilizamos para caracterizar a natureza dos novos vínculos estabelecidos com Deus desenvolve, de maneira um pouco abstrata e estática, a realidade dinâmica e relacional da Aliança. Com efeito a VC desenvolve-se num clima de Aliança que é renovada cada dia por Deus, mas que por nossa vez por vezes interrompemos e desprezamos.
1.3 Um fiat de Amor sem reservas
Se a VC possui em si algo de esponsal, como o afirma a Vita Consecrata (VC,n.34), é por intermédio das realidades da Aliança: a declaração de Amor e de fidelidade da parte de Deus em relação a quem é chamado: És precioso aos meus olhos, eu estimo-te e amo-te (Is.43,4), e o compromisso de abandono e de doação (por juramento, voto, promessa...) da nossa parte. este pacto de Aliança une verdadeiramente Deus ao parceiro humano consagrado ao seu serviço num fiat sem reservas.
É assim que se confirmam e se evidenciam na vocação à VC a iniciativa de Amor e de salvação de Deus – e que estabelece uma Aliança especial e pessoal conosco – e a prioridade da dimensão vertical na nossa resposta ao seu chamamento.

2. Vida Consagrada pacto de solidariedade fraterna

A regra de Santo Agostinho (atribuída ao Bispo de Hipona, que a teria escrito aos sacerdotes que ele mesmo reunia ao seu redor em ordem a uma vida em comum) começa com esta interpelação: Em primeiro lugar, por que motivo vos congregastes aqui, a não ser por habitardes juntos na unanimidade, formando assim uma só alma e um só coração? A referência a At 4,32-35 é clara. O ideal da vida comunitária apostólica descrito per são Lucas inspirou vigorosamente todos os projetos de vida fraterna em comunidade. Caracterizando o projeto religiosos de vida em comum como um signum fraternitatis, a Vida Consecrata remete às pessoas consagradas o ideal de vida fraterna da Comunidade de Jerusalém.: Exorto, por isso, os consagrados e consagradas a cultivá-la [a vida fraterna] com ardor, seguindo o exemplo dos primeiros cristão de Jerusalém, que eram assíduos na escuta do ensinamento dos Apóstolos, na oração comum, na participação da Eucaristia, na partilha dos bens materiais e espirituais (VC, n.45), e um pouco mais adiante: Ela [a Igreja] deseja oferecer ao mundo o exemplo de comunidade onde a recíproca atenção ajuda a superar a solidão, e a comunicação impele todos a sentirem-se co-responsáveis, o perdão cicratiza as feridas, reforçando em cada um o propósito da comunhão (VC n.45). Antes a Vita Consecrata, referindo-se à comunhão das Pessoas trinitárias, vê nesta o manancial e o modelo último da vida fraterna em comunidade e a possibilidade de que renasça uma nova forma de solidariedade entre os homens. Favorecendo constantemente o Amor fraternal, de maneira especial sob a forma de vida comum, demonstrou que a participação na comunhão trinitária pode transformar os relacionamentos humanos e criar um renovado tipo de solidariedade (VC n.41).
2.1 Solidariedade social
A solidariedade pode ser definida de duas maneiras: por um lado, a solidariedade passiva, descrita como uma simples dependência mútua entre os homens, e depois a solidariedade ativa, apreendida como um sentimento que impele os homens a prestar ajuda uns aos outros. Podemos encontrar facilmente estes dois aspectos na solidariedade que caracteriza a nossa sociedade: a solidariedade passiva, existencial, que une os irmãos de sangue, os membros da mesma família, de uma mesma geração, de um mesmo povoado. Em tal caso, os vínculos são de tipo familiar – sentimo-nos uns aos outros irmãos ou quase como eles – e impõem-se ao indivíduo para além de toda e qualquer livre escolha.
Esta solidariedade passiva abre-se, por sua vez, a uma solidariedade ativa, com a prática de deveres e exercícios de certas obrigações, em relação aos membros interessados: pais,família alargada, amigos, equipe, etc.
2.2    Solidariedade religiosa
Na VC também vivemos sob o regime desta dúplice forma de solidariedade: Irmãos, irmãs, companheiros ou companheiras de religião, de profissão, somos obrigados a manifestar vínculos especiais de solidariedade entre nós no seio do mesmo instituto: solidariedade passiva, reconhecendo a nossa interdependência (sem os outros, eu já não seria aquilo que sou), e solidariedade ativa, vivendo as nossas obrigações, assumindo as nossas responsabilidades de membros de um determinado Instituto: aceitação recíproca, apoio e auxílio fraternais, reconhecimento dos direitos e dos deveres de cada um...
2.3    Um renovado tipo de solidariedade
Como já pudemos indicar mais acima: a Vita Consecrata recomenda aos consagrados que constituam no mundo um renovado tipo de solidariedade. Por conseguinte, como podemos atravessar concretamente o limiar das formas habituais de solidariedade, para estabelecer entre os consagrados este novo tipo de vínculos?
2.4    Pacto de sangue
Na Bíblia, a amizade entre Davi e Jônatas foi selada mediante um pacto de sangue. Ainda existe um pacto desta natureza entre indivíduos ou entre comunidades. Positivamente, quantos contraíam tal pacto juravam assistência, ajuda e tutela recíproca por toda a vida; e, negativamente, renunciavam, ao preço da própria vida, a atraiçoar-se ou a destruir-se uns aos outros. Jônatas estabeleceu um pacto com Davi, dado que o amava como a si mesmo (1Sm 18,3). No entanto neste caso, o pacto foi selado unicamente entre eles dois: havia uma testemunha, o próprio Deus, que garantia este pacto. Ambos estabeleceram uma aliança perante o Senhor (1Sm 23,18). De tal modo quando fizeram o pacto tinham direito a esperar toda a fidelidade um do outro, durante todo o percurso da vida e em todas as circunstâncias. Quem infringisse tal aliança ficava manchado de ignomínia e desonra. No trecho de 1Sm 20,8, Davi diz a Jônatas: Mostra-te amigo para com o teu servo, dado que fizeste um pacto comigo em nome do Senhor. se eu tenho alguma culpa, mata-me tu mesmo...
2.5    Para uma aliança de fraternidade
Aquilo que é possível realizar no plano puramente humano, por interesses humanos, por que não deveria ser possível fazê-lo num nível diferente, dos irmãos e das irmãs, selando um pacto de solidariedade perante Deus no próprio cerne do seu percurso religioso?
Seria como a cereja sobre o bolo do compromisso religioso. No âmago do compromisso mediante os votos, o juramento ou promessa, também somos convidados a fazer, sob o olhar de Deus, um pacto de solidariedade ou de fraternidade com os membros do Instituto, que nos empenha a aceitar, sustentar, proteger e assistir o irmão ou a irmã, sejam eles quem forem, em nome dos vínculos de aliança contraídos através da profissão ou do compromisso. Não se trata de transpor para a religião a prática do pacto de sangue, trata-se simplesmente de tornar explícito, durante a cerimônia o juramento de fraternidade e de solidariedade com os membros do Instituto que para nós é verbalizado com as palavras: comprometo-me, em comunhão com os meus irmãos, a dar toda a vida no serviço apostólico próprio da família pavoniana.. Um compromisso como este, assumido perante Deus e a comunidade, adquire um valor simbólico vigoroso não só em quem o contrai, mas, inclusive, para os fiéis ali presentes.  Infelizmente, estes últimos são testemunhas resignadas ou indignadas das rupturas de fraternidade que se verificam diante dos seus olhos entre irmãos e irmãs de um mesmo instituto.
2.6    Urgência de uma solidariedade renovada
Com efeito, é necessário reconhecer que no seio dos institutos e das comunidades de VC, por vezes as malhas da solidariedade fraterna estendem-se perigosamente.
A solidariedade entre diferentes culturas e raças, entre responsáveis e o restante da comunidade, entre mais velhos e jovens, entre membros de conselhos ou de Capítulos... a solidariedade a todos os níveis da VC, vê-se ameaçada de ruptura ou de debilitação.
Há quem diga, às vezes, infelizmente, que as pessoas entram num instituto, simplesmente, para realizar a sua vocação, desenvolver os seus talentos, responder ao seu apelo e alcançar a própria salvação. Cada pessoa sabe que é preciosa e insubstituível aos olhos de Deus, a tal ponto que chega, assim, a privilegiar o serviço a Deus, negligenciando a dimensão horizontal deste mesmo serviço: a solidariedade concreta para com os irmãos e as irmãs. Como se fosse possível separar o Amor a Deus do amor ao próximo. No seio das nossas comunidades, constatamos um pouco em toda parte que existem demasiadas justaposições, isolamentos, marginalizações e exclusões. Em numerosas situações, as comunidades formam-se e dissolvem-se à mercê de interesse e de cálculos, mergulhando os próprios membros na insatisfação e na frustração. As disfunções são devidas, entre outros fatores, a uma carência de solidariedade. É assim que se explicam as atitudes de não assistência a uma pessoa em perigo moral, espiritual ou psicológico, as deserções e os abandonos, as abdicações de responsabilidade,a constituição de bastiões de resistência, de governo paralelo, de franco-atiradores como num campo de batalha em que uns marcam os outros, um se protege de um inimigo potencial, que pode ser o seu irmão ou a sua irmã... a desconfiança insinua a todos os níveis fraturas multiformes de fraternidade que tornam mais frágil o propósito original de VC: Nisto todos conhecerão que sois meus discípulos, se vos amardes uns aos outros (Jo 13,35). Naturalmente, é necessário desconfiar da ideologia recorrente de uma comunidade ideal com contornos bem arredondados, em que não se cessaria de entoar o hino perfumado do levita de antigamente: Oh, como é bom, como é agradável para os irmãos unidos viverem juntos!(Sl 133[132],1). As comunidades de entusiastas sempre terminaram no delírio ou na loucura coletiva. A objetividade e a verdade obrigam a ter em consideração as dificuldades e os limites humanos, que fazem das nossas comunidades lugares de pecado e de graça, de luta e de conversão. Isto exige de nós que voltemos a definir sem cessar as finalidades da nossa vida em comum, para não corrermos o perigo de perder de vista as razões da nossa vocação, recordadas mais acima por santo Agostinho: Em primeiro lugar, por que motivo vos congregastes aqui, a não ser para habitardes juntos na unanimidade, formando assim uma só alma e um só coração em Deus?
2.6.1        Comunidade e fraternidade
Viver em comunidade, viver juntos, somente se transforma em algo significativo a partir do compromisso solidário a ter uma só alma e um só coração voltados para Deus. Sem esta exigência cardeal, podemos perfeitamente construir comunidades regulares, sem história, nas quais, contudo, faltará o essencial: a comunhão fraterna, a solidariedade efetiva. Um autor constata, justamente: Aquilo que hoje é rejeitado é a comunidade, que era essencialmente a vida em comum, ou seja, a uniformidade, a regularidade, a comunidade de práticas e observâncias; é a comunidade congregada pela autoridade para realizar uma obra específica, e na qual as pessoas não se preocupam demasiado em valorizar as aptidões de cada um. A caridade torna-se somente sustentáculo mútuo, muito mais do que partilha e enriquecimento recíproco (B-M. Amoussou, Pentecôte d’Afrique, n.20, 1995,pág.29). Durante as nossas revisões de vida comunitárias, observamos com frequência que existe pouca fraternidade no seio das nossas comunidades, nos nossos relacionamentos e no nosso testemunho no meio do povo. A máquina comunitária pode funcionar de modo regular e eficaz; mas quando falta o óleo da solidariedade, o edifício no seu conjunto perde a sua pertinência evangélica. Este é o sentido da observação de B-M Amoussou, no citado artigo: É possível viver em comunidade por interesse, sem verdadeiros vínculos interpessoais, contanto que se viva por alguma coisa: do mesmo modo, pode-se viver em fraternidade sem estar necessariamente sob o mesmo teto, contanto que os vínculos subsistam (B-M Amoussou ibidem pág. 27).
2.6.2        Opção preferencial pela harmonia
No que se refere às comunidades, penso que hoje temos o dever de mostrar a vida religiosa como um serviço gratuito do Senhor e um compromisso a constituir lares de fraternidade e a enfrentar com coragem e tenacidade o desafio da paz, da acolhida e do perdão. Assim, poderíamos refletir e viver como comunidades comprometidas em dar testemunho diariamente de fraternidade na tolerância e no diálogo. O Sínodo Especial dos Bispos para a África, promovendo a imagem-força da Igreja-família como germe de uma eclesiologia renovada, dirige uma interpelação especial àqueles e àquelas que, por vocação, se oferecem para construir um novo tipo de família, fundamentada explicitamente nos critérios evangélicos de comunhão e de fraternidade. Deste modo, diversamente das Entidades filantrópicas e beneficentes, não seríamos apreciados e aceitados antes de tudo por sermos simples Associações assistenciais, educativas e caritativas, mas como cristãos que se esforçam por viver e irradiar o mandamento supremo do seu Mestre: Amai-vos uns aos outros como eu vos amei... Não existe Amor maior do que dar a vida pelos próprios amigos. Isto é suficiente para dar pleno sentido ao projeto de vida religiosa. Seria a nossa maneira de concretizar a recomendação contida na Vita Consecrata: No nosso mundo, onde frequentemente parecem ter-se perdido os vestígios de Deus, torna-se urgente um vigoroso testemunho profético por parte das pessoas consagradas... a própria vida fraterna é já uma profecia em ato, numa sociedade que, às vezes sem se dar conta, anela profundamente por uma fraternidade sem fronteiras (VC.n 85).

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Oração Vocacional Pavoniana

Oração Vocacional Pavoniana
Divino Mestre Jesus, ao anunciar o Reino do Pai escolheste discípulos e missionários dispostos a seguir-te em tudo; quiseste que ficassem contigo numa prolongada vivência do “espírito de família” a fim de prepará-los para serem tuas testemunhas e enviá-los a proclamar o Evangelho. Continua a falar ao coração de muitos e concede a quantos aceitaram teu chamado que, animados pelo teu Espírito, respondam com alegria e ofereçam sem reservas a própria vida em favor das crianças, dos surdos e dos jovens mais necessitados, a exemplo do beato Pe. Pavoni. Isto te pedimos confiantes pela intercessão de Maria Imaculada, Mãe e Rainha da nossa Congregação. Amém!

SERVIÇO DE ANIMAÇÃO VOCACIONAL - FMI - "Vem e Segue-Me" é Jesus que chama!

  • Aspirantado "Nossa Senhora do Bom Conselho": Rua Pe. Pavoni, 294 - Bairro Rosário . CEP 38701-002 Patos de Minas / MG . Tel.: (34) 3822.3890. Orientador dos Aspirantes – Pe. Célio Alex, FMI - Colaborador: Ir. Quelion Rosa, FMI.
  • Aspirantado "Pe. Antônio Federici": Q 21, Casas 71/73 . Setor Leste. CEP 72460-210 - Gama / DF . Telefax: (61) 3385.6786. Orientador dos Aspirantes - Ir. José Roberto, FMI.
  • Comunidade Religiosa "Nossa Senhora do Bom Conselho": SGAN Av. W5 909, Módulo "B" - Asa Norte. CEP 70790-090 - Brasília/DF. Tel.: (61) 3349.9944. Pastoral Vocacional: Ir. Thiago Cristino, FMI.
  • Comunidade Religiosa da Basílica de Santo Antônio: Av. Santo Antônio, 2.030 - Bairro Santo Antônio. CEP 29025-000 - Vitória/ES. Tel.: (27) 3223.3083 (Comunidade Religiosa Pavoniana) / (27) 3223.2160 / 3322.0703 (Basílica de Santo Antônio) . Reitor da Basílica: Pe. Roberto Camillato, FMI.
  • Comunidade Religiosa da Paróquia São Sebastião: Área Especial 02, praça 02 - Setor Leste. CEP 72460-000 - Gama/DF. Tel.: (61) 34841500 . Fax: (61) 3037.6678. Pároco: Pe. Natal Battezzi, FMI. Pastoral Vocacional: Pe. José Santos Xavier, FMI.
  • Juniorado "Ir. Miguel Pagani": Rua Dias Toledo, 99 - Bairro Vila Paris. CEP 30380-670 - Belo Horizonte / MG. Tel.: (31) 3296.2648. Orientador dos Junioristas - Pe. Claudinei Ramos Pereira, FMI. ***EPAV - Equipe Provincial de Animação Vocacional - Contatos: Ir. Antônio Carlos, Pe. Célio Alex e Pe. Claudinei Pereira, p/ e-mail: vocacional@pavonianos.org.br
  • Noviciado "Maria Imaculada": Rua Bento Gonçalves, 1375 - Bairro Centro. CEP 93001-970 - São Leopoldo / RS . Caixa Postal: 172. Tel.: (51) 3037.1087. Mestre de Noviços - Pe. Renzo Flório, FMI. Pastoral Vocacional: Ir. Johnson Farias e Ir. Bruno, FMI.
  • Seminário "Bom Pastor" (Aspirantado e Postulantado): Rua Monsenhor José Paulino, 371 - Bairro Centro. CEP 37550-000 - Pouso Alegre / MG . Caixa Postal: 217. Tel: (35) 3425.1196 . Orientador do Seminário - Ir. César Thiago do Carmo Alves, FMI.

Associação das Obras Pavonianas de Assistência: servindo as crianças, os surdos e os jovens!

  • Centro Comunitário "Ludovico Pavoni": Rua Barão de Castro Lima, 478 - Bairro: Real Parque - Morumbi. CEP 05685-040. Tel.: (11) 3758.4112 / 3758.9060.
  • Centro de Apoio e Integração dos Surdos (CAIS) - Rua Pe. Pavoni, 294 - Bairro Rosário . CEP 38701-002 Patos de Minas / MG . Tel.: (34) 3822.3890. Coordenador: Luís Vicente Caixeta
  • Centro de Formação Profissional: Av. Santo Antônio, 1746. CEP 29025-000 - Vitória/ES. Tel.: (27) 3233.9170. Telefax: (27) 3322.5174. Coordenadora: Sra. Rosilene, Leiga Associada da Família Pavoniana
  • Centro Educacional da Audição e Linguagem Ludovico Pavoni (CEAL-LP) SGAN Av. W5 909, Módulo "B" - Asa Norte. CEP 70790-090 - Brasília/DF. Tel.: (61) 3349.9944 . Diretor: Pe. José Rinaldi, FMI
  • Centro Medianeira: Rua Florêncio Câmara, 409 - Centro. CEP 93010-220 - São Leopoldo/RS. Caixa Postal: 172. Tel.: (51) 3037.2797 / 3589.6874. Diretor: Pe. Renzo Flório, FMI
  • Colégio São José: Praça Dom Otávio, 270 - Centro. CEP 37550-000 - Pouso Alegre/MG - Caixa Postal: 149. Tel.: (35) 3423.5588 / 3423.8603 / 34238562. Fax: (35) 3422.1054. Cursinho Positivo: (35) 3423. 5229. Diretor: Prof. Giovani, Leigo Associado da Família Pavoniana
  • Escola Gráfica Profissional "Delfim Moreira" Rua Monsenhor José Paulino, 371 - Bairro Centro. CEP 37550-000 - Pouso Alegre / MG . Caixa Postal: 217. Tel: (35) 3425.1196 . Diretor: Pe. Nelson Ned de Paula e Silva, FMI.
  • Obra Social "Ludovico Pavoni" - Quadra 21, Lotes 71/72 - Gama Leste/DF. CEP 72460-210. Tel.: (61) 3385.6786. Coordenador: Sra. Sueli
  • Obra Social "Ludovico Pavoni": Rua Monsenhor Umbelino, 424 - Centro. CEP 37110-000 - Elói Mendes/MG. Telefax: (35) 3264.1256 . Coordenadora: Sra. Andréia Mendes, Leiga Associada da Família Pavoniana.
  • Obra Social “Padre Agnaldo” e Pólo Educativo “Pe. Pavoni”: Rua Dias Toledo, 99 - Vila Paris. CEP 30380-670 – Belo Horizonte/MG. Tels.: (31) 3344.1800 - 3297.4962 - 0800.7270487 - Fax: (31) 3344.2373. Diretor: Pe. André Callegari, FMI.

Total de visualizações de página

Vídeos Pavonianos

Loading...

Artigos do blog

Quem sou eu?

Minha foto
Bréscia, Italy
Sou fundador da Congregação Religiosa dos Filhos de Maria Imaculada, conhecida popularmente como RELIGIOSOS PAVONIANOS. Nasci na Itália no dia 11 de setembro de 1784 numa cidade chamada Bréscia. Senti o chamado de Deus para ir ao encontro das crianças e jovens que, por ocasião da guerra, ficaram órfãos, espalhados pelas ruas com fome, frio e sem ter o que fazer... e o pior, sem nenhuma perspectiva de futuro. Então decidi ajudá-los. Chamei-os para o meu Oratório (um lugar onde nos reuníamos para rezar e brincar) e depois ensinei-os a arte da marcenaria, serralheria, tipografia (fabricar livros), escultura, pintura... e muitas outras coisas. Graças a Deus tudo se encaminhou bem, pois Ele caminhava comigo, conforme prometera. Depois chamei colaboradores para dar continuidade àquilo que havia iniciado. Bem, como você pode perceber a minha história é bem longa... Se você também quer me ajudar entre em contato. Os meus amigos PAVONIANOS estarão de portas abertas para recebê-lo em nossa FAMÍLIA.