sexta-feira, 12 de novembro de 2010

O Superior geral

Caríssimos irmãos e leigos da Família pavoniana, em muitas passagens do Antigo Testamento, e em particular em alguns salmos que rezamos com frequência, são exaltados o amor e a fidelidade de Deus para com o seu povo. É esta certeza que sustenta Israel nas suas vicissitudes históricas, muitas vezes assinaladas por manifestações de infidelidade e de pecado, por períodos de opressão e de sofrimentos causados por calamidades naturais.

“Cantarei eternamente o amor do Senhor, de geração em geração farei conhecida com minha boca a tua fidelidade, porque disse: é um amor edificado para sempre”. Assim rezamos com o salmo 89 (2-3), que logo depois se refere à fidelidade de Deus com relação à promessa feita ao rei Davi: “Selei uma aliança com o meu eleito; jurei a Davi meu servo. Estabelecerei para sempre a tua descendência, de geração em geração edificarei o teu trono” (4-5). Esta promessa de Deus, feita a Davi por meio do profeta Natan (cf. 2 Sm 7, 8-16), reforçada em todo o salmo 89 e confirmada no salmo 132 (11ss) e em outras passagens, encontrou pleno cumprimento em Jesus de Nazaré, “o Cristo, o filho de Deus vivente” (Mt 16, 16) e “filho de Davi” (Mt 1,1; ss).

Deus não falta às suas promessas, porque o seu amor e a sua fidelidade são eternos. “Jamais desmentirei minha fidelidade” (Sl 89, 34). Toda a sagrada Escritura é um hino à fidelidade de Deus e uma confirmação da sua fidelidade. Mesmo diante da infidelidade do ser humano, Deus não renega a sua fidelidade, como lembra, por exemplo, o apóstolo Paulo: “Se somos infiéis, ele permanece fiel, porque não pode renegar a si mesmo” (2 Tm 2, 13).

O amor fiel de Deus é destinado a todos; ninguém está excluído, a não ser que queira se excluir por iniciativa e vontade próprias. Tem a ver com a humanidade, com o povo de Deus, com a Igreja, com cada batizado, cada consagrado, cada carisma que o Espírito suscita “para o bem comum” (1 Cor 12, 7). Tem e ver com a nossa Família religiosa.


A promessa feita ao padre Ludovico Pavoni

“Com humilde fé reconhecemos que a nossa Congregação não subsiste por intuição ou vontade dos homens, mas por iniciativa de Deus que livremente cria e conserva” (RV 10 c).

Esta afirmação da Regra de Vida encontra correspondência no testemunho do Padre Fundador. Referindo-se a sua vocação educativa ele acentua: “O Senhor quis formar a minha vocação” (RU I 62). Bem como: “Deus houve por bem chamar-me desde a tranquila moradia de minha casa paterna, e animar-me à voluntária oblação de todo o meu ser em vantagem de tão amplo bem” (RU I 42). E referindo-se a sua vocação de fundador ele manifesta: “O projeto parecia ser ditado pelo céu” (Ideia geral - CP). E ainda: “O projeto se apresentou diante de mim com tanta clareza que me pareceu ditado pelo céu” (RU II 155). E enfim, escrevendo a pe. Marcantonio Cavanis, no dia 21 de dezembro de 1847: “Creio faltar a um dever sagrado de gratidão se não lhe comunicasse que, agora, realizei o meu projeto, ou melhor, o da divina Providência, com a instituição canônica da Família Religiosa consagrada especialmente para perpetuar e dilatar esta obra de caridade” (RU III 51).

Sobre este “projeto” de Deus o Fundador já tinha falado assim aos seus colaboradores: “Aquele Deus… não me deixou sem esperança de poder um dia… encontrar… zelosos cooperadores que… estivessem dispostos… a partilhar comigo suas fadigas, trabalhando nesta parte predileta da vinha do Senhor; e poder assim realizar o meditado projeto, que é o de formar uma sagrada família de religiosos… Este suspirado dia... parece que chegou” (RU I 62). E ainda: “Eu não posso senão encorajar-vos para a obra, animando-vos a considerar que se trata de manter aberto um abrigo para esta porção da humanidade que é a predileta do amorosíssimo coração de Jesus… Se Deus quis erguer, diria, quase do nada, esta pia casa e sustentá-la entre tantos obstáculos... seu apoio não nos faltará” (RU I 42-43).

Em Padre Pavoni encontramos algumas certezas. A inspiração da sua vocação e da sua obra veio de Deus. A sua Providência o sustentou e suscitou colaboradores. Sempre por inspiração de Deus, fundou com alguns colaboradores a Congregação religiosa. Será a Providência quem sustentará a Congregação “para estender-lhe seus caridosos braços” (Ideia Geral - CP) no tempo e em outros lugares. O que Deus iniciou levará à realização, porque é fiel às suas promessas e não deixa perder os seus projetos.

Por isso, podemos ratificar com a Regra de Vida: “A certeza de que a Congregação é obra de Deus - confirmada pelo auxílio divino, nas suas vicissitudes históricas - inspira nossa gratidão, sustenta nossa esperança e anima nossa fidelidade” (11 b).

Gratidão, esperança, fidelidade

São estes os sentimentos e os compromissos que somos chamados a reavivar. A gratidão nos leva a ter esperança e a intensificar a nossa fidelidade. Corremos, frequentemente, o risco de faltar com a gratidão, antes de tudo, para com Deus, mas também para com os irmãos, por tantos benefícios que cercam a nossa vida. Gratos por ter recebido o dom do chamado à vocação pavoniana, podemos nutrir profunda esperança em Deus, em relação ao nosso carisma e ao futuro da Congregação. Se o carisma e a Congregação são dons seus, o Senhor providenciará sua duração. A nós compete cumprir a parte que nos toca, com atitude de fidelidade.

A fidelidade fala de amor, dedicação, coerência, entusiasmo, espírito de sacrifício. Pressupõe um sólido e sincero caminho de conversão, uma decidida vontade de recuperação depois de cada erro e uma convicta oposição a toda forma de “vida dupla”. Esta última atitude seria o que de mais negativo se possa insinuar na existência de um religioso: juntamente com uma aparente fidelidade, levar, às escondidas, uma vida em contradição com as exigências e os compromissos da própria consagração (união com Deus, castidade, pobreza, caridade, etc.), terminando por aceitá-la e justificá-la. O perigo da “vida dupla” pode ser considerado e ser o maior mal também para todo cristão.

Fidelidade é convicção de sermos úteis para a causa comum, que é do Senhor. Lembremo-nos do que afirmava são Paulo: “Para mim o viver é Cristo e o morrer um lucro. Mas se o viver no corpo significa trabalhar com fruto, realmente não sei o que escolher… para vós é mais necessário que eu permaneça no corpo. Persuadido disto, sei que permanecerei e continuarei a permanecer no meio de todos vós para o progresso e a alegria da vossa fé” (Fl 1, 21-25).

A autêntica fidelidade se conjuga com a humildade, que o Padre Fundador pede que caracterize o nosso estilo de vida. È uma indicação em coerência (e não poderia ser de outro modo) com o que nos ensinou Jesus: “Assim também vós, quando tiverdes feito tudo que vos foi ordenado, dizei: ‘Somos servos inúteis. Fizemos o que deveríamos ter feito’” (Lc 17,10). Com esta atitude acolhemos cada dia o encorajamento que nos vem do salmo: “Sede fortes, tornai firme o vosso coração vós todos que esperais no Senhor” (31, 25).

Rumo à solenidade da Imaculada

O mês de novembro nos acompanhará ao início do novo ano litúrgico com o tempo do advento (domingo, dia 28) e ao início da novena da Imaculada (segunda-feira, dia 29). Entretanto, com a liturgia, recordamos no primeiro domingo todos os Santos e rezamos pelos irmãos defuntos, tendo presente o que nos indica a Regra de Vida: “Como membros da Igreja peregrina, estamos em comunhão com os irmãos do Reino celeste e necessitados de sua ajuda” (19; cf. também 21 e 390).

De minha parte, nos dias 12 e 13, participarei em Belo Horizonte da reunião dos superiores e dos responsáveis pela formação. Aqui, depois, nos dias 27 e 28, haverá a assembleia ampliada da Família pavoniana.

Na Espanha, em Valladolid, de 5 a 7, haverá a convivência dos Grupos Saiano e, de 19 a 21, se realizarão as “Jornadas de outono” para os animadores, os responsáveis e os associados da Família pavoniana.

Voltando para a Itália, em Roma, de 24 a 26, participarei da Assembleia semestral dos Superiores gerais, sobre o tema: “Vida consagrada na Europa: empenho por uma profecia evangélica”. Quinta-feira, dia 25, está prevista para os participantes uma audiência no Vaticano com o papa Bento XVI.

Confiemos o caminho do mês a Maria, que sábado, dia 20, invocaremos com o título de Mãe da Divina Providência, como se apresentou, a partir de Caná, para toda a história da Igreja, como experimentaram o Padre Fundador e a nossa Congregação “nas suas vicissitudes históricas” e como estamos certos de continuar a experimentar também nós, hoje.

A todos os meus mais cordiais cumprimentos.



pe. Lorenzo Agosti

Belo Horizonte, 30 de outubro de 2010.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Oração Vocacional Pavoniana

Oração Vocacional Pavoniana
Divino Mestre Jesus, ao anunciar o Reino do Pai escolheste discípulos e missionários dispostos a seguir-te em tudo; quiseste que ficassem contigo numa prolongada vivência do “espírito de família” a fim de prepará-los para serem tuas testemunhas e enviá-los a proclamar o Evangelho. Continua a falar ao coração de muitos e concede a quantos aceitaram teu chamado que, animados pelo teu Espírito, respondam com alegria e ofereçam sem reservas a própria vida em favor das crianças, dos surdos e dos jovens mais necessitados, a exemplo do beato Pe. Pavoni. Isto te pedimos confiantes pela intercessão de Maria Imaculada, Mãe e Rainha da nossa Congregação. Amém!

SERVIÇO DE ANIMAÇÃO VOCACIONAL - FMI - "Vem e Segue-Me" é Jesus que chama!

  • Aspirantado "Nossa Senhora do Bom Conselho": Rua Pe. Pavoni, 294 - Bairro Rosário . CEP 38701-002 Patos de Minas / MG . Tel.: (34) 3822.3890. Orientador dos Aspirantes – Pe. Célio Alex, FMI - Colaborador: Ir. Quelion Rosa, FMI.
  • Aspirantado "Pe. Antônio Federici": Q 21, Casas 71/73 . Setor Leste. CEP 72460-210 - Gama / DF . Telefax: (61) 3385.6786. Orientador dos Aspirantes - Ir. José Roberto, FMI.
  • Comunidade Religiosa "Nossa Senhora do Bom Conselho": SGAN Av. W5 909, Módulo "B" - Asa Norte. CEP 70790-090 - Brasília/DF. Tel.: (61) 3349.9944. Pastoral Vocacional: Ir. Thiago Cristino, FMI.
  • Comunidade Religiosa da Basílica de Santo Antônio: Av. Santo Antônio, 2.030 - Bairro Santo Antônio. CEP 29025-000 - Vitória/ES. Tel.: (27) 3223.3083 (Comunidade Religiosa Pavoniana) / (27) 3223.2160 / 3322.0703 (Basílica de Santo Antônio) . Reitor da Basílica: Pe. Roberto Camillato, FMI.
  • Comunidade Religiosa da Paróquia São Sebastião: Área Especial 02, praça 02 - Setor Leste. CEP 72460-000 - Gama/DF. Tel.: (61) 34841500 . Fax: (61) 3037.6678. Pároco: Pe. Natal Battezzi, FMI. Pastoral Vocacional: Pe. José Santos Xavier, FMI.
  • Juniorado "Ir. Miguel Pagani": Rua Dias Toledo, 99 - Bairro Vila Paris. CEP 30380-670 - Belo Horizonte / MG. Tel.: (31) 3296.2648. Orientador dos Junioristas - Pe. Claudinei Ramos Pereira, FMI. ***EPAV - Equipe Provincial de Animação Vocacional - Contatos: Ir. Antônio Carlos, Pe. Célio Alex e Pe. Claudinei Pereira, p/ e-mail: vocacional@pavonianos.org.br
  • Noviciado "Maria Imaculada": Rua Bento Gonçalves, 1375 - Bairro Centro. CEP 93001-970 - São Leopoldo / RS . Caixa Postal: 172. Tel.: (51) 3037.1087. Mestre de Noviços - Pe. Renzo Flório, FMI. Pastoral Vocacional: Ir. Johnson Farias e Ir. Bruno, FMI.
  • Seminário "Bom Pastor" (Aspirantado e Postulantado): Rua Monsenhor José Paulino, 371 - Bairro Centro. CEP 37550-000 - Pouso Alegre / MG . Caixa Postal: 217. Tel: (35) 3425.1196 . Orientador do Seminário - Ir. César Thiago do Carmo Alves, FMI.

Associação das Obras Pavonianas de Assistência: servindo as crianças, os surdos e os jovens!

  • Centro Comunitário "Ludovico Pavoni": Rua Barão de Castro Lima, 478 - Bairro: Real Parque - Morumbi. CEP 05685-040. Tel.: (11) 3758.4112 / 3758.9060.
  • Centro de Apoio e Integração dos Surdos (CAIS) - Rua Pe. Pavoni, 294 - Bairro Rosário . CEP 38701-002 Patos de Minas / MG . Tel.: (34) 3822.3890. Coordenador: Luís Vicente Caixeta
  • Centro de Formação Profissional: Av. Santo Antônio, 1746. CEP 29025-000 - Vitória/ES. Tel.: (27) 3233.9170. Telefax: (27) 3322.5174. Coordenadora: Sra. Rosilene, Leiga Associada da Família Pavoniana
  • Centro Educacional da Audição e Linguagem Ludovico Pavoni (CEAL-LP) SGAN Av. W5 909, Módulo "B" - Asa Norte. CEP 70790-090 - Brasília/DF. Tel.: (61) 3349.9944 . Diretor: Pe. José Rinaldi, FMI
  • Centro Medianeira: Rua Florêncio Câmara, 409 - Centro. CEP 93010-220 - São Leopoldo/RS. Caixa Postal: 172. Tel.: (51) 3037.2797 / 3589.6874. Diretor: Pe. Renzo Flório, FMI
  • Colégio São José: Praça Dom Otávio, 270 - Centro. CEP 37550-000 - Pouso Alegre/MG - Caixa Postal: 149. Tel.: (35) 3423.5588 / 3423.8603 / 34238562. Fax: (35) 3422.1054. Cursinho Positivo: (35) 3423. 5229. Diretor: Prof. Giovani, Leigo Associado da Família Pavoniana
  • Escola Gráfica Profissional "Delfim Moreira" Rua Monsenhor José Paulino, 371 - Bairro Centro. CEP 37550-000 - Pouso Alegre / MG . Caixa Postal: 217. Tel: (35) 3425.1196 . Diretor: Pe. Nelson Ned de Paula e Silva, FMI.
  • Obra Social "Ludovico Pavoni" - Quadra 21, Lotes 71/72 - Gama Leste/DF. CEP 72460-210. Tel.: (61) 3385.6786. Coordenador: Sra. Sueli
  • Obra Social "Ludovico Pavoni": Rua Monsenhor Umbelino, 424 - Centro. CEP 37110-000 - Elói Mendes/MG. Telefax: (35) 3264.1256 . Coordenadora: Sra. Andréia Mendes, Leiga Associada da Família Pavoniana.
  • Obra Social “Padre Agnaldo” e Pólo Educativo “Pe. Pavoni”: Rua Dias Toledo, 99 - Vila Paris. CEP 30380-670 – Belo Horizonte/MG. Tels.: (31) 3344.1800 - 3297.4962 - 0800.7270487 - Fax: (31) 3344.2373. Diretor: Pe. André Callegari, FMI.

Total de visualizações de página

Vídeos Pavonianos

Loading...

Artigos do blog

Quem sou eu?

Minha foto
Bréscia, Italy
Sou fundador da Congregação Religiosa dos Filhos de Maria Imaculada, conhecida popularmente como RELIGIOSOS PAVONIANOS. Nasci na Itália no dia 11 de setembro de 1784 numa cidade chamada Bréscia. Senti o chamado de Deus para ir ao encontro das crianças e jovens que, por ocasião da guerra, ficaram órfãos, espalhados pelas ruas com fome, frio e sem ter o que fazer... e o pior, sem nenhuma perspectiva de futuro. Então decidi ajudá-los. Chamei-os para o meu Oratório (um lugar onde nos reuníamos para rezar e brincar) e depois ensinei-os a arte da marcenaria, serralheria, tipografia (fabricar livros), escultura, pintura... e muitas outras coisas. Graças a Deus tudo se encaminhou bem, pois Ele caminhava comigo, conforme prometera. Depois chamei colaboradores para dar continuidade àquilo que havia iniciado. Bem, como você pode perceber a minha história é bem longa... Se você também quer me ajudar entre em contato. Os meus amigos PAVONIANOS estarão de portas abertas para recebê-lo em nossa FAMÍLIA.