sexta-feira, 23 de setembro de 2011

Novas nomeações para funções e cargos na Província Pavoniana do Brasil

Pe. Lorenzo Agosti, superior geral dos pavonianos
Congregação religiosa dos Filhos de Maria Imaculada – Pavonianos
Sede operativa da Cúria Geral
Rua Ludovico Pavoni,2 – 21049 TRADATE (Varese)


 Aos Superiores provinciais
do Brasil, Itália e Espanha
Caríssimos,
                comunico a vocês e, por vosso meio, a todas as comunidades da Congregação, a nomeação das Diretorias provinciais, realizada na reunião do Conselho geral dos dias de 14 a 21 de setembro.

PROVÍNCIA DO BRASIL
Superior provincial             pe. Gabriel Crisciotti
Conselheiros provinciais     pe. Domingos Rodrigues Zati, vigário provincial
                                             pe. Renzo Flório, terceiro conselheiro
                                             pe. André Callegari, quarto conselheiro

Moacir Franco, presidente da Câmara Municipal de Pouso Alegre-MG, Pe. Gabriel Crisciotti, superior provincial dos pavonianos e Pe. Nelson Ned,  comunidade da Escola Profissional Delfim Moreira - Pouso Alegre-MG

INSTITUTO DOS FILHOS DE MARIA IMACULADA (Pavonianos)
PROVÍNCIA DO BRASIL
CÚRIA PROVINCIAL           
                                                                     
Leitura do profeta Ageu (Ag 1.2-7)

Isto diz o Senhor dos exércitos: Este povo diz: Ainda não chegou o momento de edificar a casa do Senhor. A palavra do Senhor foi assim dirigida, por intermédio do profeta Ageu: Acaso para vós é tempo de morardes em casas revestidas de lambris, enquanto esta casa está em ruínas? Isto diz o Senhor dos exércitos: Considerai, com todo o coração, a conjuntura que estais passando: tende semeado muito e colhido pouco;tendes vos alimentados e não vos sentis satisfeitos, bebeis e não vos embriagueis; estais vestidos e não vos aqueceis; quem trabalha por salário guarda-o em saco roto. Isto diz o Senhor dos exércitos: Considerai com todo o coração, a difícil conjuntura que estais passando: mas subi ao monte, trazei madeira e edificai a casa; ela me será aceitável, nela me glorificarei, diz o Senhor.

Prezados irmãos,
                paz e bem!
A comunicação dos cargos da Diretoria, Provincial e Conselho provincial, até o próximo Capítulo, chegou nestes dias nos quais a Palavra de Deus proclamada na Celebração Eucarística nos convida a ler a experiência dos israelitas que voltam do exílio e, ao mesmo tempo, a lembrar da parábola de domingo último que tratava dos trabalhadores da vinha.
Hoje ouvimos o profeta Ageu que estimula seus patrícios a reconstruir o Templo, trecho que coloquei na introdução deste escrito. Quero partilhar com vocês a minha reflexão e espero que haja outros que ajudem a aprofundar o texto. O aceno à conjuntura que estais passando é um convite a refletir sobre o momento particular vivenciado: volta das terras do além Eufrates, em grupos, entrada em uma terra sonhada, mas sobre a qual ainda não tinham feito uma experiência de vida, em nome de um Projeto de Deus, ao qual eles querem participar: tornar-se sinal do Deus que mora em Jerusalém (Esd 1,3). A realidade é bem diferente da poesia e dos sonhos. A tentação é pensar cada um em si mesmo e deixar para depois a realização do que motivou esta volta. A construção do Templo se torna para o profeta o símbolo da edificação da nova comunidade.  
Foram escolhidos os novos responsáveis. Como medida de boa educação vale a pena enviar cumprimentos, felicitações: agora a tarefa fica por conta deles.
Talvez, ao contrário, seja a ocasião de fazer um pequeno exame de consciência, porque, às vezes, caímos na tentação de nos interessar das nossas coisas, tempo de morar em casas revestidas de lambris, enquanto esta casa, a comunidade, está em ruína. Quando trata-se dos nossos interesses somos impacientes, as coisas nunca aparecem serem resolvidas logo; os interesses de Deus, da comunidade, podem esperar. Para a televisão, para a Internet, para o nosso lazer e o nosso descanso sempre existe tempo. É verdade, estas coisas, aos dias de hoje, são também necessárias. Mas se olharmos dentro de nós com sinceridade, diante do Senhor, devemos admitir que nem sempre os motivos proclamados para defesa, são aqueles que nos levam a motivar as nossas escolhas. A falta de comprometimento, o não ter um Projeto de vida claro, o não assumir responsabilidades, com o medo de fracassar.... e aí entra o problema da nossa autoestima, o não querer sujar a camisa além de um certo limite (o que vão dizer depois os outros?), o nosso individualismo que custa em aceitar partilhar com os que chamamos de irmãos. Talvez seja um pouco pessimista, mostrando assim de não querer confiar nas pessoas. Não quero ser moralista. Mas existem escolhas de fundo que condicionam o nosso estilo de vida.
É interessante a constatação feita no final: tende semeado muito e colhido pouco;tendes vos alimentados e não vos sentis satisfeitos,... É bom refletir sobre o nosso comportamento: é uma vida de não verdadeiras satisfações. Não se alcança nem sucesso,nem alegria: falta a coisa mais importante. Não procuramos a motivação do porque somos religiosos: chamados para se envolver num Projeto do Senhor.
            E aqui entra outra reflexão que fiz no domingo. Nós somos os trabalhadores da primeira hora, e, infelizmente, os nossos pensamentos não são como os pensamentos do Senhor, os nossos caminhos não são como os caminhos dele (Is 55,8-9). Exigimos uma posição de privilégio. Talvez nos faltem os conhecimentos do mercador que vende tudo para comprar aquela pérola que encontrou. É a alegria de entrar em um Projeto e de levá-lo a frente com Ele e com os irmãos, sabendo que devemos construí-lo, peça por peça e, às vezes, sem ter o desenho já pronto. É um desafio, é o suportar o cansaço e o calor o dia intero. Os outros não servem para me comparar, mas para ser feliz quando consigo que alguns deles participem da empreitada.
Tudo isto e muito mais, me veio na cabeça nestes dias. Estou preocupado com a Comunidade, a edificação da casa do Senhor.
Prezados irmãos, nestes três anos seremos convidados a trazer madeira e edificar a casa .Não temos outra escolha. É o desafio da proposta de Cristo. Não existe ninho onde a gente possa se acomodar. Ou vamos participar a esta empreitada, que certamente é emocionante, ou, se alguém acha difícil demais e não quer se envolver, é melhor sair e continuar a construir a própria casa revestida de lambris. Devemos encontrar meios para nos encontrar, para superar as arestas, nos alegrar construindo juntos. E os que pegaram de manhã deverão entender e se alegrar com os que chegam depois, basta que aceitem trabalhar, de verdade, na vinha.
Serão os anos nos quais os jovens irão assumir mais diretamente as próprias responsabilidades. Anos em que a colaboração com os da Família pavoniana e com os leigos deverá se tornar essencial para a transmissão do nosso carisma na Igreja e na sociedade. Cuidado em não repetir os erros que, às vezes, encontramos na geração passada e que lastimamos. O poder como serviço: uma área na qual será necessário encontrar medidas de avaliação, as mais objetivas possíveis, sem medo de deixar que o bisturi penetre na própria carne e nos liberte para a vida. Desde já deveremos encontrar oportunidades que nos ajudem a isto.
Somos uma comunidade pequena. Como fazer para aprender a conviver em poucos e, ao mesmo tempo, a experimentar e a estarmos abertos ao encontro com os outros, para construímos fraternidade, mesmo vivendo longe fisicamente?
Tudo isto nos deve levar a aprender a ser livres. Livres para escolher. Mas antes será necessário entender o peso dos valores em jogo e agir com consequência.Teoricamente eu deveria testemunhar um Projeto de Deus no qual estou envolvido junto com os meus irmãos e ao qual deveria estar disposto a condicionar outras escolhas minhas. Faço profissão de acolher uma Regra de Vida: a dos pavonianos. É isto mesmo? Não é possível vivenciar a Comunidade na alegria e no dom se não me envolvo de maneira concreta na rotina diária onde eu vivo, a começar pelo louvor a Deus, ao partilhar na Ceia do Senhor e no encontro da refeição, no recreio, na atividade e nos sonhos.
Mais uma etapa da caminhada. Peço que rezemos juntos para termos a coragem de refletir juntos, de nos encontrarmos, de colocar as mãos na massa, cada um de acordo com as próprias responsabilidades. Os que foram escolhidos para a responsabilidade da Direção, como testemunhas verdadeiras e sinceras, mesmo na fragilidade de cada um. Não vamos desperdiçar esta nova ocasião: Buscai o Senhor, enquanto pode ser achado;invocai-o, enquanto ele está perto...

Belo Horizonte, 22 de setembro de 2011
                                                                         Pe. Gabriel


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Oração Vocacional Pavoniana

Oração Vocacional Pavoniana
Divino Mestre Jesus, ao anunciar o Reino do Pai escolheste discípulos e missionários dispostos a seguir-te em tudo; quiseste que ficassem contigo numa prolongada vivência do “espírito de família” a fim de prepará-los para serem tuas testemunhas e enviá-los a proclamar o Evangelho. Continua a falar ao coração de muitos e concede a quantos aceitaram teu chamado que, animados pelo teu Espírito, respondam com alegria e ofereçam sem reservas a própria vida em favor das crianças, dos surdos e dos jovens mais necessitados, a exemplo do beato Pe. Pavoni. Isto te pedimos confiantes pela intercessão de Maria Imaculada, Mãe e Rainha da nossa Congregação. Amém!

SERVIÇO DE ANIMAÇÃO VOCACIONAL - FMI - "Vem e Segue-Me" é Jesus que chama!

  • Aspirantado "Nossa Senhora do Bom Conselho": Rua Pe. Pavoni, 294 - Bairro Rosário . CEP 38701-002 Patos de Minas / MG . Tel.: (34) 3822.3890. Orientador dos Aspirantes – Pe. Célio Alex, FMI - Colaborador: Ir. Quelion Rosa, FMI.
  • Aspirantado "Pe. Antônio Federici": Q 21, Casas 71/73 . Setor Leste. CEP 72460-210 - Gama / DF . Telefax: (61) 3385.6786. Orientador dos Aspirantes - Ir. José Roberto, FMI.
  • Comunidade Religiosa "Nossa Senhora do Bom Conselho": SGAN Av. W5 909, Módulo "B" - Asa Norte. CEP 70790-090 - Brasília/DF. Tel.: (61) 3349.9944. Pastoral Vocacional: Ir. Thiago Cristino, FMI.
  • Comunidade Religiosa da Basílica de Santo Antônio: Av. Santo Antônio, 2.030 - Bairro Santo Antônio. CEP 29025-000 - Vitória/ES. Tel.: (27) 3223.3083 (Comunidade Religiosa Pavoniana) / (27) 3223.2160 / 3322.0703 (Basílica de Santo Antônio) . Reitor da Basílica: Pe. Roberto Camillato, FMI.
  • Comunidade Religiosa da Paróquia São Sebastião: Área Especial 02, praça 02 - Setor Leste. CEP 72460-000 - Gama/DF. Tel.: (61) 34841500 . Fax: (61) 3037.6678. Pároco: Pe. Natal Battezzi, FMI. Pastoral Vocacional: Pe. José Santos Xavier, FMI.
  • Juniorado "Ir. Miguel Pagani": Rua Dias Toledo, 99 - Bairro Vila Paris. CEP 30380-670 - Belo Horizonte / MG. Tel.: (31) 3296.2648. Orientador dos Junioristas - Pe. Claudinei Ramos Pereira, FMI. ***EPAV - Equipe Provincial de Animação Vocacional - Contatos: Ir. Antônio Carlos, Pe. Célio Alex e Pe. Claudinei Pereira, p/ e-mail: vocacional@pavonianos.org.br
  • Noviciado "Maria Imaculada": Rua Bento Gonçalves, 1375 - Bairro Centro. CEP 93001-970 - São Leopoldo / RS . Caixa Postal: 172. Tel.: (51) 3037.1087. Mestre de Noviços - Pe. Renzo Flório, FMI. Pastoral Vocacional: Ir. Johnson Farias e Ir. Bruno, FMI.
  • Seminário "Bom Pastor" (Aspirantado e Postulantado): Rua Monsenhor José Paulino, 371 - Bairro Centro. CEP 37550-000 - Pouso Alegre / MG . Caixa Postal: 217. Tel: (35) 3425.1196 . Orientador do Seminário - Ir. César Thiago do Carmo Alves, FMI.

Associação das Obras Pavonianas de Assistência: servindo as crianças, os surdos e os jovens!

  • Centro Comunitário "Ludovico Pavoni": Rua Barão de Castro Lima, 478 - Bairro: Real Parque - Morumbi. CEP 05685-040. Tel.: (11) 3758.4112 / 3758.9060.
  • Centro de Apoio e Integração dos Surdos (CAIS) - Rua Pe. Pavoni, 294 - Bairro Rosário . CEP 38701-002 Patos de Minas / MG . Tel.: (34) 3822.3890. Coordenador: Luís Vicente Caixeta
  • Centro de Formação Profissional: Av. Santo Antônio, 1746. CEP 29025-000 - Vitória/ES. Tel.: (27) 3233.9170. Telefax: (27) 3322.5174. Coordenadora: Sra. Rosilene, Leiga Associada da Família Pavoniana
  • Centro Educacional da Audição e Linguagem Ludovico Pavoni (CEAL-LP) SGAN Av. W5 909, Módulo "B" - Asa Norte. CEP 70790-090 - Brasília/DF. Tel.: (61) 3349.9944 . Diretor: Pe. José Rinaldi, FMI
  • Centro Medianeira: Rua Florêncio Câmara, 409 - Centro. CEP 93010-220 - São Leopoldo/RS. Caixa Postal: 172. Tel.: (51) 3037.2797 / 3589.6874. Diretor: Pe. Renzo Flório, FMI
  • Colégio São José: Praça Dom Otávio, 270 - Centro. CEP 37550-000 - Pouso Alegre/MG - Caixa Postal: 149. Tel.: (35) 3423.5588 / 3423.8603 / 34238562. Fax: (35) 3422.1054. Cursinho Positivo: (35) 3423. 5229. Diretor: Prof. Giovani, Leigo Associado da Família Pavoniana
  • Escola Gráfica Profissional "Delfim Moreira" Rua Monsenhor José Paulino, 371 - Bairro Centro. CEP 37550-000 - Pouso Alegre / MG . Caixa Postal: 217. Tel: (35) 3425.1196 . Diretor: Pe. Nelson Ned de Paula e Silva, FMI.
  • Obra Social "Ludovico Pavoni" - Quadra 21, Lotes 71/72 - Gama Leste/DF. CEP 72460-210. Tel.: (61) 3385.6786. Coordenador: Sra. Sueli
  • Obra Social "Ludovico Pavoni": Rua Monsenhor Umbelino, 424 - Centro. CEP 37110-000 - Elói Mendes/MG. Telefax: (35) 3264.1256 . Coordenadora: Sra. Andréia Mendes, Leiga Associada da Família Pavoniana.
  • Obra Social “Padre Agnaldo” e Pólo Educativo “Pe. Pavoni”: Rua Dias Toledo, 99 - Vila Paris. CEP 30380-670 – Belo Horizonte/MG. Tels.: (31) 3344.1800 - 3297.4962 - 0800.7270487 - Fax: (31) 3344.2373. Diretor: Pe. André Callegari, FMI.

Total de visualizações de página

Vídeos Pavonianos

Loading...

Artigos do blog

Quem sou eu?

Minha foto
Bréscia, Italy
Sou fundador da Congregação Religiosa dos Filhos de Maria Imaculada, conhecida popularmente como RELIGIOSOS PAVONIANOS. Nasci na Itália no dia 11 de setembro de 1784 numa cidade chamada Bréscia. Senti o chamado de Deus para ir ao encontro das crianças e jovens que, por ocasião da guerra, ficaram órfãos, espalhados pelas ruas com fome, frio e sem ter o que fazer... e o pior, sem nenhuma perspectiva de futuro. Então decidi ajudá-los. Chamei-os para o meu Oratório (um lugar onde nos reuníamos para rezar e brincar) e depois ensinei-os a arte da marcenaria, serralheria, tipografia (fabricar livros), escultura, pintura... e muitas outras coisas. Graças a Deus tudo se encaminhou bem, pois Ele caminhava comigo, conforme prometera. Depois chamei colaboradores para dar continuidade àquilo que havia iniciado. Bem, como você pode perceber a minha história é bem longa... Se você também quer me ajudar entre em contato. Os meus amigos PAVONIANOS estarão de portas abertas para recebê-lo em nossa FAMÍLIA.